CRITICA MUSICAL / MUSICAL CRITIC

Um blog de Álvaro Sílvio Teixeira

2007/02/28


TANZEFESTIVAL

Decorreu, de 15 a 25 de Fevereiro, em Wien, o festival de dança contemporânea para jovens, que foi dedicado ás crianças. Se pensam que essa peculiaridade reduz as exigências técnico-artísticas, desenganem-se. Grupos como a Compagnie Smafu (Wien), revelaram um nível técnico que muitos grupos de dança contemporânea "para adultos" não possuem. Mas, para além da técnica, a Compagnie Smafu demonstrou uma criatividade, uma inventividade e uma poesia que alcança a genialidade.
Kopergietery & Hans Hof Ensemble (Gent & Amesterdam), na foto, apresentaram Panamá, uma peça onde os artistas são músicos, actores e bailarinos, uma peça recheada de lirismo, que nesta apresentação vienense se excedeu no tempo (mais 10 minutos que o habitual), mas que conseguiu manter os espectadores, crianças dos primeiros anos de ensino, respectivos professores, artistas e "a crítica", atentos até ao final, ainda que o(s) argumento(s) seja(m) múltiplo(s) e complexo(s), o que causa uma certa sensação de falta de consistência. Técnicamente perfeitos, como bailarinos, revelaram-se igualmente excelentes intérpretes musicais, dentro dos estilos que interpretaram.
Não posso deixar de referir, com grande destaque, os IOTA, de Anterwpen. Die Vier Jhareszeiten, coreografia baseada nas quatro estações de Vivaldi, na célebre interpretação da Europa Galante, "estações" que foram apresentadas com um começo arbitrário para quebrar uma assimilação directa (com a concordância de Fabio Biondi e dos Europa Galante), conseguiram manter um discurso coreográfico interessante, consistente e criativo, sobre uma obra conhecida de todos, com uma interpretação-referência que poderia simplesmente absorver toda a coreografia. Tal não aconteceu, apesar da força da música, porque os IOTA conseguiram manter um ritmo e uma linguagem que se encadeou na música para advir "o outro" discurso, e não uma mera animação da obra musical.
Finalmente, correndo o risco de ignorar muitos outros, provavelmente mais interessantes, vou referir a peça Scipio, do grupo Konnex (Wien), que trata do conductor-bluff que acaba dominado e aterrorizado pela orquestra. Uma metáfora curiosa... Foi pena que a organização não tivesse trazido uma escola a esta peça. Seguramente que as crianças iriam morrer de riso...
Porquê destacar aqui este festival? Primeiro, pela grande qualidade da pequena amostra a que assisti. Digamos que entre um espectáculo do grupo Smafu, por exemplo, ou outro da generalidade das companhias de dança "para adultos", iria ver as Smafu, sem a menor dúvida ou hesitação. Segundo, porque a dança pode ser um meio de excelência para a educação artística das crianças. A dança contemporânea, quando de grande qualidade, utilizando desde a música barroca até à música popular, é um meio polivalente que sensibiliza as crianças para várias formas de arte. Falo das crianças porque os adolescentes já foram "comidos" pela moda. É nas crianças que a educação artística deve colocar o ênfase e todo o esforço, consolidada por uma formação musical rigorosa e de grande qualidade que tem de ser praticada nas escolas do ensino obrigatório. Claro que nos países onde os alunos maltratam e agridem os professores este é um assunto (mais um) a esquecer... É na infância que se criam os futuros ouvintes, tanto da música dita clássica como de outras formas de arte que exigem mais sensibilidade que a requerida pelas "músicas da moda", normalmente grosseiras e quadradas, produzidas, promovidas e comercializadas pela indústria, acriticamente consumidas pelos adolescentes que se consideram rebeldes e inovadores... AST













O festivall forUard III, organizado pela Trem Azul, decorre nos dias 18, 19 e 20 Março, em Lisboa. Em edições anteriores (em que se chamou forUmusic e forUjazz), este evento acolheu figuras de topo como Joachim Kuhn, Don Byron, Rashied Ali/Sonny Fortune, Louis Sclavis, Peter Brotzmann e Alexander Von Schlippenbach, além dos portugueses LIP, Afonso Pais e Zé Eduardo Unit.

A grande aposta da edição deste ano vai para o disco do quarteto 4 Corners, que tem a particularidade de juntar dois americanos (Ken Vandermark e Adam Lane) e dois europeus (o sueco Magnus Broo e o norueguês Paal Nilssen-Love) num exemplo de que se podem estabelecer óptimas relações musicais entre os dois lados do Atlântico. in http://improvisosaosul.weblog.com.pt (março 05, 2007)













Tinha passado um mês sobre a morte de Peter Kowald, em 2002, quando o veterano saxofonista Mario Schiano, uma figura de referência do jazz italiano desde a década de 60, a tocadora de guzheng (espécie de cítara com 25 cordas, de origem chinesa) Xu Fengxia, há anos radicada em Berlim, e o percussionista alemão Martin Blume, tiveram a ideia de apresentar em Roma, no festival Controindicazioni, um tributo à memória do desaparecido contrabaixista, com quem individualmente estes improvisadores se haviam cruzado. Sabores e saberes orientais sob a forma de harpejos e vocalizações de Fengxia relacionam-se com os sons fragmentados que Schiano extrai dos saxofones, esquiços desenhados sobre a subtil trama percussiva de Blume. Consonância e dissonância, tensão e libertação - o espírito free-world da Global Village de Kowald sempre presente, numa sessão muito agradável de ouvir em disco. in http://jazzearredores.blogspot.com (2.3.07)














2007/02/21

Berlioz, Debussy, Ravel e Berio visitam Wien

As obras de Debussy e Ravel são do mais fino, inteligente e inspirado produto que in alguma vez foi criado em toda a arte.
As más orquestras deveriam abster-se de abordar obras que exigem não unicamente um domínio técnico perfeito, mas também grande musicalidade e uma muito específica capacidade de expressão.
A Concertgebouworkest foi a Wien (17 e 18 Fevereiro) fazer o mesmo programa (e os mesmos encores...) que apresentou em vários países da Europa, a saber: uma abertura de Berlioz que foi um trabalho de vanguarda para o seu tempo; La Mer de Debussy; as Folk Songs de Luciano Berio e La Valse de Ravel.
Tenho de dizer uma coisa: apesar de não gostar da teatralidade e da frequente superficialidade com que Mariss Jansons aborda algumas das grandes obras musicais, ao
andar pela Europa a tocar este repertório, está a fazer um grande e excelente trabalho pela Arte. A Concertgebouworkest não é uma orquestra qualquer...
Mas há mais: a leitura que Jansons e orquestra da qual é o condutor-chefe fizeram da Valse de Ravel, que é o mais genial "poema-coreográfico" alguma vez concebido, obra com a qual, e muito bem, terminaram o programa anunciado e a tourné europeia (não contando com os dois encores finais...), foi uma das leituras mais bem conseguidas que jamais escutei, incluindo os registos em disco.
Igualmente as Folk Songs tiveram, pela voz da contralto Elīna Garanča, que foi brilhante, uma leitura do mais alto nível, que deveria ter sido gravada e editada em cd, assim como La Valse de Maurice Ravel.
Se a abertura de Berlioz foi perfeita, já no que toca à leitura de La Mer teria algo a observar. O primeiro o segundo quadros foram bem interpretados, trabalhando-se as impressionantes sonoridades inventadas por Debussy que encontraram na orquestra do Concertegebouw os intérpretes que o compositor gostaria de ter escutado, já no que toca ao terceiro e último quadro entendo ter-lhe faltado "electricidade" e vigor, tendo isto sido patente no enunciado do motivo inicial, que também pecou pela falta de clareza rítmica.
Mas, basicamente, a Concertgebouworkest e Mariss Jansons ofereceram-nos um repertório genial, inteligentemente escolhido e brilhantemente interpretado. O concerto do dia seguinte foi preenchido com as terceiras sinfonias de Schubert e Bruckner, e correspondeu ás espectativas. Quanto a mim, achei a leitura de Schubert genial. Já no que diz respeito a Bruckner, confesso que dois dias depois de ter escutado a sétima sinfonia dirigida por Boulez, esta terceira me deixou um certo sabor a incompletude. AST













Pronti anche alla guerra

Il presidente Ahmadinejad afferma che il programma di arricchimento dell'uranio è come "un treno in corsa senza freni". E il viceministro della difesa aggiunge: "Non temiamo nulla". Negli Usa, molti generali pronti a dimettersi in caso di attacco a Teheran

http://www.repubblica.it
25 febbraio 2007












Critiquer sinon le fond, mais la façon dont a été géré, ici, le dossier nucléaire iranien n'est pas sans risque. Pour l'avoir fait, le journal en ligne Baztab (228 000 visiteurs par jour en temps normal), qui n'a pourtant rien de réformiste, est "filtré" depuis huit jours. "Au nom du réalisme qui a sauvé la République islamique durant vingt-huit ans, nous avons critiqué les positions rigides du président Ahmadinejad sur le nucléaire. Etre obstiné ne résout rien", explique Fouad Sadeghi, l'un des fondateurs de Baztab en 2002. Et de raconter qu'en Iran, les élites prennent au sérieux l'éventualité d'une attaque.

Baztab a publié des articles expliquant les enjeux nucléaires et des listes de sites "sensibles". "Pas pour affoler les gens, mais pour les prévenir au cas où...", explique M. Sadeghi. Le journal a aussi fait le récit d'une réunion secrète, il y a quinze jours, entre M. Rafsandjani et des parlementaires. M. Rafsandjani leur aurait raconté une rencontre entre le Guide suprême de la révolution, l'ayatollah Khamenei, et M. Ahmadinejad. Comme ce dernier disait : "Aucun risque, ils n'attaqueront pas", le Guide aurait répondu sèchement : "Non, c'est sérieux."

www.lemonde.fr
24.02.07 | 13h33













Allo stadio di Kabul 25 mila mujaheddin gridano: "Morte ai diritti umani"

Corrieri della Sera, Sabato 24 Febraio 2007, pag 15













Korruption in der EU

Dramatische Skandalfälle zwingen Kommissar zum Handeln

Heute, 21 Februar 2007














2007/02/05

YEFIM BRONFMANN: SERKIN FOI UM GRANDE MÚSICO

Alvaro Teixeira: Há muitos anos estive num ensaio com o Ensemble Contemporain, onde você tocou dirigido por Boulez...

Yefim Bronfmann: Não me parece. É a primeira vez que trabalho com Pierre Boulez...

AT Então nunca tocou com Boulez...

YB É a primeira vez.

AT Hum...

YB Desejo voltar a tocar, no futuro.

AT Que sentimento experimentou ao tocar com esta... interessante orquestra*?

YB É como se estivesse a fazer música de câmera, está a ver? É uma sensação única tocar com estes fantásticos músicos. Tocar Mozart com eles é especial por estes músicos escutam-se uns aos outros, tal como acontece na música de câmera. O piano, aqui, é parte de um mesmo corpo.

AT Isso aconteceu hoje, neste ensaio?

YB Sim. Absolutamente. Acontece sempre com esta orquestra e em todos os concertos. Todos este artistas estão comprometidos com a unidade da interpretação.

AT Como é Boulez a fazer Mozart?

YB É um músico fantástico, compreende?

AT Em Mozart?

YB Bem. O som desta orquestra é fantástico e...

AT Ela poderia tocar Mozar sem condutor...

YB Qualquer orquestra o pode fazer, mas com um grande condutor como Boulez a orquestra sente-se mais inspirada, e você sabe muito bem que esta orquestra tem um respeito imenso por Pierre Boulez. Tocam ainda melhor com ele e desejam tocar com ele.

AT Eu sei. Você faz música contemporânea com regularidade?

YB Tenho muitos planos nessa área. A próxima semana farei a "premiére" do concerto para piano e orquestra de Esa-Pekka Salonen, que o dedicou a mim. Irei interpretá-lo com a New York Philharmonic.

AT Onde vive habitualmente?

YB Em New York.

AT É dos EUA?

YB Sou do Uzbequistão.

AT Quem foram os seus professores?

YB Arie Vardi, Rudolf Serkin e León Fleisher.

AT Serkin! Um dos maiores pianistas de sempre.

YB Ha sim! Um grande pianista! Um grande músico!

AT Não sabia que ele dava aulas regularmente.

YB Sim. Ensinou muitos anos. Foi director do Malboro Music Festival onde fui três verões tocar música de câmera.

AT Porque gosta tanto da música germânica?

YB Porque é um grande repertório.

AT Mas Mozart não é alemão. Mozart é Austríaco.

YB É verdade. E então?

AT Não é música germânica.

YB É grande música. Pertence a esta grande área que podemos designar de tradição germânica.

AT Quais são, para si, as principais diferenças entre as orquestra europeias e as americanas?

YB Há grandes orquestras na América e há grandes orquestras na Europa. Aqui toca-se de maneira diferente. As cordas... Os sopros. Especialmente os sopros... As trompas... Tocam diferentemente... Mas sabe, é sempre um grande prazer tocar com uma grande orquestra, seja aqui, seja em qualquer outro lugar.

AT E foi um prazer conversar com o Yefim .

YB Igualmente. Muito obrigado.

* Wiener Philharmoniker














2007/02/01

MERCEEIROS

Philippe Pierlot, na última Festa da Música, no CCB, em Lisboa, ofereceu-nos alguns dos momentos mais geniais e inspirados daquele evento, que foi encerrado por solistas, côros e instrumentistas sob sua condução.

Foi com espanto que li hoje, num jornal diário português, que Philippe Pierlot foi obrigado assinar um "acordo" com o CCB para poder pagar aos músicos, coralistas e solistas que trabalharam com ele. Já passaram muitos meses após o evento. Seria de esperar que todos os artistas já tivessem recebido os respectivos honorários...
Nesse acordo forçado, o CCB não vai pagar as deslocações entre o aeroporto e o local dos concertos (P. Pierlot e os "seus" grupos foram os artistas basilares do evento, tendo participado em mais de trinta concertos), as despesas que foram liquidadas com cartões de crédito, as taxas devido ao excesso de peso dos instrumentos e parte dos gastos com os bilhetes de avião que foram adquiridos através de um sistema que os tornou mais económicos.

Ainda que já pouco me surpreenda no que concerne aos comportamentos dos portugueses com responsabilidades públicas, devo dizer que mais valia encerrarem o CCB e alugá-lo para as festas populares do que acontecer algo como isto, que o país irá pagar caro. Nada lavará a imagem de uns ridículos chicos-espertos que se aproveitam do que podem para não pagarem na totalidade o que devem. Imagem que vai transitar pelo mundo, acrescentando-se a outras que já existem. AST

Nota: não seriam estes mesmos responsáveis que, sem hesitar, pagaram milhões ao minimal-repetitivo Philip Glass para produzir um aborto chamado Corvo Branco (a cuja estreia, que aconteceu numa aberração acústica chamada Teatro Camões, tive o desprazer de assistir)? "Ópera" que Glass recusou gravar em cd por considerar ser o seu "pior trabalho"? Só numa república das bananas, em que os responsáveis de instituições que sobrevivem de capitais fundamentalmente públicos fazem o que querem, isto pode ter acontecido sem terem sido averiguadas as devidas responsabilidades. Claro que a ópera-da-treta de P. Glass foi herdada. Ora essa... Evidentemente! Quando as coisas correm bem, assumem-se como êxitos pessoais. Se correm mal é porque foram compromissos herdados dos anteriores responsáveis.













ESTA ENTREVISTA DEVIA ostentar uma bolinha vermelha, no canto superior direito da página. É desaconselhada a contribuintes sensíveis ao despesismo. Aqui se conta como, por más decisões, escolhas políticas questionáveis ou programas propagandísticos, se gastaram milhões de contos. E como o resultado desses gastos se esvaiu. Uma ópera, que tanto podia servir para comemorar Vasco da Gama ou «o Gengis Khan», uma fragata que foi reconstruída para ficar, para sempre, ancorada e a apodrecer, arte ao abandono, livros desaparecidos, cd-roms pagos e não editados.
in Visão, n.º 712, 26 de Outubro de 2006, pp. 60 a 64
http://www.prof2000.pt/users/secjeste/recortes/Historia/Hist005.htm













UM BOM CONCERTO EM CONDIÇÕES LAMENTÁVEIS

... o director falava com a orquestra referindo-se a «escândalo» e preconizando legatos mais acentuados.
... uma interpretação mais «ligada» poderia minimizar a «secura» da sala.
Em conversa com David Shallon (o maestro) este esclareceu-me que o «escândalo» era a acústica horrível da Sala Júlio Verne do Teatro Camões...
«Escândalo» era também a péssima organização e o barulho que durante o ensaio fizeram a focar as luzes, acabando por ser os músicos da orquestra a mandar calar os funcionários. Este último episódio pude-o eu, estupefacto, presenciar enquanto Gavrilov, indiferente a tudo, fazia passagens do 3º Concerto para piano e orquestra de Rachmaninov.
...
Álvaro Teixeira in Diário de Notícias, 11 de Julho, 1998

Nota: a relações públicas, naquela época, do Teatro Camões, disse-me, à entrada do concerto seguinte: "veja lá se esta não foi a última vez que escreveu para o DN..." E de facto foi! A senhora continua a exercer as mesmas funções num teatro de ópera português.














HISTÓRIAS DO SUB-MUNDO
...
Muito mais grave e revoltante é o caso do administrador de uma orquestra sinfónica juvenil: disse, com todas as palavras e sem subtilidades, ao músico principiante que, ou ia com ele para a cama, ou perdia o lugar. Perdeu o lugar. Passada uma semana abriram concurso para admissão de novo violoncelista. Muitos e muitas (o asqueroso joga nos dois lados) tinham aceite as propostas sebentas, e ficaram. Uma orquestra de jovens putas e panascas (genericamente... acreditamos que a maioria não alinhou no "negócio"...), com um administrador perverso, quase analfabeto (minto: o sujeito tem a antiga 4ª classe e provavelmente mais uns cursos de formação), um vulgar escroque que só num país merdoso poderia ter conseguido ascender a funções directivas. Em que país aconteceram, ou acontecem (?!), estas aberrações? Em nenhum... Trata-se de um exercício de humor...














Voltando ao que vale a pena e esquecendo (ou tentando) as atrocidades:

"A lista de nomes que passaram por Darmstadt mostra a enorme importância que os cursos tiveram para a música do século XX: Olivier Messiaen, Pierre Boulez, Karlheinz Stockhausen, Luigi Nono, Luciano Berio, Bruno Maderna. Uma das obras marcantes desse período, Mode de valeurs et d'intensités, foi escrita por Messiaen, que foi professor em Darmstadt entre 1949 e 1951, durante um desses cursos.
O italiano Luigi Nono passou por ser um dos mais radicais desse grupo, pela sua militância política, que o levou a combinar com frequência textos políticos radicais com música revolucionária. A sua ligação a Schoenberg foi bem para além do uso do serialismo nas suas primeiras obras; antes de mais, pelo facto de a sua primeira obra orquestral, estreada em Darmstadt em 1950, chamar-se Variazioni canoniche sulla serie dell'op.41 di Arnold Schoenberg; e por, 5 anos depois, ter casado com Nuria, filha de Schoenberg... Luigi Nono nasceu há 83 anos, no dia 29 de Janeiro de 1924." in http://desnorte.blogspot.com














e-mail: criticademusicaATyahooPUNTOfr