CRITICA MUSICAL / MUSICAL CRITIC

Um blog de Álvaro Sílvio Teixeira

2009/06/30

Philippine "Pina" Bausch

July 27, 1940 – June 30, 2009

Bausch began dancing from a young age. In 1955 she began studying at the Folkwang Academy in Essen directed by Germany's then most influential choreographer Kurt Jooss, one of the founders of German Expressionist dance. After graduation she won a scholarship to continue her studies at the Juilliard School in New York City in 1960, where her teachers included Anthony Tudor, José Limón, and Paul Taylor. In New York she performed with the Paul Sanasardo and Donya Feuer Dance Company, the New American Ballet, and became a member of the Metropolitan Opera Ballet Company.

In 1962, Bausch joined Kurt Jooss's new Folkwang Ballett Company as a soloist and assisted Jooss on many of the pieces, before choreographing her first piece in 1968, and in 1969 succeeded Jooss as artistic director. In 1972, Bausch started as artistic director of the then Wuppertal Opera Ballet (later renamed the "Tanztheater Wuppertal Pina Bausch)."

Bausch's work is also known for infusing humor with sadness. Male-female interaction is a theme found throughout her work, which has been an inspiration for—and reached a wider audience through—the movie Talk to Her, directed by Pedro Almodóvar. Her pieces are constructed of short units of dialogue and action, often of a surreal nature. Repetition is an important structuring device. Her large multi-media productions often involve elaborate sets and eclectic music. For example, in Masurca Fogo half the stage is taken up by a giant, rocky hill, and the score includes everything from Portuguese music to K. D. Lang.

In 1983, she played the role of La Principessa Lherimia in Federico Fellini's And the Ship Sails On.

Bausch was married to Dutch-born Rolf Borzik, a set and costume designer who died in 1980. Borzik had strongly influenced the visual style of the Tanztheater from the very beginning and crucially supported Bausch though the early years until the company began to receive international recognition shortly before his death.

Bausch was awarded in 2008 with the Goethe Prize of Frankfurt-am-Main. She died in Wuppertal, Germany, aged 68.

Labels: ,

2009/06/27

Michael Jackson's "Thriller" performed outside Sydney Opera House

Labels:

Are we going just to watch and comment?

A leading Iranian religious leader has called for the execution of "rioters" who have led a series of anti-government protests following the country's disputed June 12 presidential election.

Ahmad Khatami, a member of Iran's Assembly of Experts, told worshippers during a sermon at Friday prayers that Iran's judiciary should charge such rioters as "mohareb", or one who wages war against God.

"Anybody who fights against the Islamic system or the leader of Islamic society, fight him until complete destruction," Khatami said in the nationally broadcast sermon at Tehran University.

"We ask that the judiciary confront the leaders of the protests, leaders of the violations, and those who are supported by the United States and Israel strongly, and without mercy to provide a lesson for all."

Under Iranian law, the punishment for people convicted as mohareb is execution.

Labels:

2009/06/25

Options Shrink for Opposition

TEHRAN — Step by step, Iran’s leaders are successfully pushing back threats to their authority, crushing street protests, pressing challengers to withdraw or to limit their objections to the disputed presidential election and restricting the main opposition leader’s ability to do much more than issue statements of outrage.

Two weeks after Iran’s disputed presidential election, Mir Hussein Moussavi, the top challenger, issued an angry statement Thursday that underscored his commitment to press ahead — but also his impotence in the face of an increasingly emboldened and repressive government.

Mr. Moussavi does not have a political organization to rally, and during the height of the unrest he attracted a large following more because of whom he opposed — President Mahmoud Ahmadinejad — than because of what he stood for, political analysts said.


Repressive government

A hardline cleric seen as a mouthpiece of the Iranian regime today demanded that opposition demonstrators be punished “without mercy”.

Even as Ayatollah Ahmad Khatami delivered his uncompromising message at Tehran’s Friday prayers, foreign ministers of the world’s leading industrialised nations issued a statement deploring the regime’s violent crackdown on the protestors and demanded it “stop immediately”.

Mr Khatami’s televised sermon came at the end of a week in which the regime has brutally suppressed all streets protests and rounded up hundreds of opponents for daring to question President Ahmadinejad’s re-election. It conveyed the unmistakable message that no dissent would be tolerated, and that the crackdown would, if anything, intensify.


Tehran 'like a war zone'

Bloody clashes broke out in Tehran today as Iran's supreme leader said he would not yield to pressure over the disputed election. The renewed confrontation took place in Baharestan Square, near parliament, where hundreds of protesters faced off against several thousand riot police and other security personnel.

Witnesses likened the scene to a war zone, with helicopters hovering overhead, many arrests and the police beating demonstrators.

One woman told CNN that hundreds of unidentified men armed with clubs had emerged from a mosque to confront the protesters.

"They beat a woman so savagely that she was drenched in blood and her husband fainted. They were beating people like hell. It was a massacre," she said.

The opposition website Rooz Online carried what it said was an interview with a man the government had shipped in to Tehran to quell the demonstrations. He said he was being paid 2m rial (£122) to assault protesters with a heavy wooden stave, and that other volunteers, most of them from far-flung provinces, were being kept in hostel accommodation, reportedly in east Tehran.

With the independent media banned from covering street protests, the reports could not be verified.

There were also unconfirmed reports tonight that Zahra Rahnavard, the wife of opposition candidate Mir Hossein Mousavi, had been arrested. Earlier in the day she had called on the authorities to release Iranians who had been detained.

In remarks posted on her husband's website, Rahnavard said: "I regret the arrest of many politicians and people and want their immediate release. It is my duty to continue legal protests to preserve Iranian rights."


At least 17 demonstrators have been killed

TEHRAN — Hundreds of protesters clashed with waves of riot police and paramilitary militia in Tehran on Wednesday, witnesses said, as Iran’s supreme leader, Ayatollah Ali Khamenei, insisted that the authorities would not yield to pressure from opponents demanding a new election following allegations of electoral fraud.

It was impossible to confirm the extent of the new violence in the capital because of draconian new press restrictions on coverage of the post-election mayhem. But the witnesses reached by telephone said the confrontation, in the streets near the national Parliament building, was bloody, with police using live ammunition.

Defying government warnings, hundreds, if not thousands of protesters, had attempted to gather in front of the parliament on Baharestan Square, witnesses said. They were met with riot police and paramilitary militia, who struck at them with truncheons, tear gas and guns. One witness said he saw a 19-year-old woman shot in the neck. Others said the police had shot in the air, not directly at demonstrators.

Some opposition supporters said that presidential candidate and opposition leader Mir Hussein Moussavi had been scheduled to address the crowd, but initial reports indicated that he had not appeared.

The violence came as additional details emerged about the sweeping scale of arrests that have accompanied the nation’s worst political crisis since the 1979 revolution. A New York-based human rights group, International Campaign for Human Rights in Iran, listed the names Wednesday of 240 detained in the crackdown. Iranian state media have reported 645 arrests, but the total number of detained may be as high as 2,000, the organization said, citing human rights activists in Iran.

Among them are people arrested in a Monday night raid of a campaign office for Mr. Moussavi in Tehran, Press TV, state television’s English-language satellite broadcaster, reported Wednesday. The government said the office was being used as “a headquarters for psychological war against the country’s security,” and claimed that evidence had been found of “the role of foreign elements in planning post-election unrest.”

Also detained are 102 political figures, 23 journalists, 79 university students and 7 university faculty, the human rights organization said. By official reckonings, at least 17 demonstrators have been killed.

Labels:

2009/06/24

Tool of oppression

Shockingly, the Dickensian bone disease rickets has reemerged in the British Muslim community because women are not getting enough vital vitamin D from sunlight because they are being consigned to life under a shroud.
...
The veil is simply a tool of oppression which is being used to alienate and control women under the guise of religious freedom.
...
Every time the burkha is debated, Muslim fundamentalists bring out all these women who say: 'It's my choice to wear this.'

Perhaps so - but what pressures have been brought to bear on them? The reality, surely, is that a lot of women are not free to choose.

Girls as young as four are wearing the hijab to school: that is not a freely made choice. It stops them taking part in education and reaching their potential, and the idea that tiny children need to protect their modesty is abhorrent.

And behind the closed doors of some Muslim houses, countless young women are told to wear the hijab and the veil. These are the girls who are hidden away, they are not allowed to go to university or choose who they marry. In many cases, they are kept down by the threat of violence.

The burkha is the ultimate visual symbol of female oppression. It is the weapon of radical Muslim men who want to see Sharia law on Britain's streets, and would love women to be hidden, unseen and unheard. It is totally out of place in a civilised country.
...
President Sarkozy is absolutely right to say: 'If you want to live here, live like us.'

He went on to say that the burkha is not a religious sign, 'it's a sign of subservience, a sign of debasement... In our country, we cannot accept that women be prisoners behind a screen, cut off from all social life, deprived of all identity.'
...
Two years ago, I wore a burkha for the first time for a television programme. It was the most horrid experience. It restricted the way I walked, what I saw, and how I interacted with the world.

It took away my personality. I felt alienated and like a freak. It was hot and uncomfortable, and I was unable to see behind me, exchange a smile with people, or shake hands.

If I had been forced to wear a veil, I would certainly not be free to write this article. Nor would I have run a marathon, become an aerobics teacher or set up a business.

Labels: , , , ,

2009/06/23

ندا آقا سلطان

Neda Agha-Soltan (Persian: ندا آقا سلطان - Nedā Āġā-Soltān; born 1982, died June 20, 2009) was an Iranian woman whose killing, during the 2009 Iranian election protests, was captured on video by bystanders. The graphic videos were posted on the Internet, and her name quickly became a rallying cry for the opposition. Neda means "voice" or "calling" or "Divine message" in Persian, and she has been referred to as the "voice of Iran" and "a symbol of pro-democracy protesters battering the Islamic regime" in the world. Her last name has also been spelled as Soltani in some media reports.

On June 20, 2009, at around 6:30 PM, Agha-Soltan, an islamic philosophy student, was sitting in her car in traffic on Kargar Avenue in the city of Tehran, near the Amir-Abad area, accompanied by her music teacher and close friend, Hamid Panahi.

The three were on their way to participate in the protests against the outcome of the 2009 Iranian presidential election. Having gotten out of the car because of the excessive heat, she was allegedly targeted and shot in the chest by plain-clothes Basij paramilitaries who were attempting to subdue the protesters.

Labels:

Tehran - تهران - Neda - ندا

Labels:

2009/06/19

A second term for Barroso is hardly a sign of approval

Jose Manuel Barroso is almost certain to clinch a second term as European Commission president when EU leaders meet in Brussels today – thanks largely to the absence of a strong challenger.

The green light for the conservative former Portuguese prime minister comes despite the fact he has been described as "mediocre and weak", despite the heavy flak he took for his handling of the financial crisis and despite the doubts raised recently by France and Germany over his re-appointment.

Mr Barroso was not even in the running for the job in 2004. It was only because the British vetoed the front-runner, Belgian Prime Minister Guy Verhofstadt (largely for his opposition to the Iraq war), that Mr Barroso entered the race.


The dead of Iran are mourned – but the fight goes on

Tens of thousands of Mousavi supporters marched in black through the streets of central Tehran yesterday evening, in an emotional demonstration of mourning – the second in two days – for the post-election dead. In a city symbolised by its brutal traffic and decibel records, they walked in total silence for three miles, holding banners and posters lamenting the killings in Azadi Square and Tehran University and in other Iranian cities. And they had no doubts about the political – and physical – risks they were taking.

A chemical engineer walking at the centre of the huge black trail thought for several seconds when I asked him what happens next. "Nobody knows but we think of this all the time," he at last replied. "We cannot stop now. If we stop now, they will eat us. The best is for the United Nations or some international organisations to monitor another election." Upon such illusions is disaster built.

But the same man's wife had a humour that almost belonged to the vast black crowd yesterday. She was a commercial lawyer but had studied psychology. "If we let go now, we are going to face someone like Pinochet – and our dictators here are not even up-to-date dictators," she told me without a trace of a smile. "My psychological training is very useful. Ahmadinejad has a classic psychosis problem. He lies a lot and he's hallucinatory and the problem is, he thinks he's related to someone up there!" And here, the lady pointed upwards in the general direction of heaven. But no jokes about religion. These marchers were chanting the Muslim "salavat" prayer, giving greetings to the Prophet Mohamed and his family.

Labels: ,

2009/06/17

Offshore "socialista"

"A última novidade do Governo socialista do senhor presidente do Conselho é uma coisa chamada Fundação para as Comunicações Móveis. Esta entidade, cozinhada no gabinete do ministro Lino ex-TGV e ex-aeroportos da Ota e Alcochete, foi a contrapartida exigida pelo Governo a três operadores para obterem as licenças dos telemóveis de terceira geração. É privada, tem um conselho geral com três membros nomeados pelo Executivo e um conselho de administração com três elementos, presidido por um ex-membro do gabinete do impagável Lino, devidamente remunerado, e dois assessores do senhor que está cansado de aturar o senhor presidente do Conselho e já não tem idade para ser ministro.

Chegados aqui vamos à massa. Os três operadores meteram até agora na querida fundação 400 milhões de euros, uma parte do preço a pagar pelas tais licenças. O Estado, por sua vez, desviou para esta verdadeira offshore socialista 61 milhões de euros. E pronto. De uma penada temos uma entidade privada, que até agora sacou 461 milhões de euros, gerida por três fiéis do ministro Lino, isto é, três fiéis do senhor presidente do Conselho. É evidente que esta querida fundação não é controlada por nenhuma autoridade e movimenta a massa como quer e lhe apetece, isto é, como apetece ao senhor presidente do Conselho.

Chegados aqui tudo é possível. Chegados aqui é legítimo considerar que as Fátimas, Isaltinos, Valentins, Avelinos e comandita deste sítio manhoso, pobre, deprimido, cheio de larápios e obviamente cada vez mais mal frequentado não passam de uns meros aprendizes de feiticeiro ao pé da equipa dirigida com mão de ferro e rédea curta pelo senhor presidente do Conselho.


Fim ao "liberalismo"

Estamos a atravessar uma das mais severas crises económicas globais de sempre. Na sua origem está uma combinação letal de desigualdades, de especulação financeira, de mercados mal regulados e de escassa capacidade política. A contracção da procura é agora geral e o que parece racional para cada agente económico privado – como seja adiar investimentos porque o futuro é incerto, ou dificultar o acesso ao crédito, porque a confiança escasseia – tende a gerar um resultado global desastroso.

É por isso imprescindível definir claramente as prioridades. Em Portugal, como aliás por toda a Europa e por todo o mundo, o combate ao desemprego tem de ser o objectivo central da política económica. Uma taxa de desemprego de 10% é o sinal de uma economia falhada, que custa a Portugal cerca de 21 mil milhões de euros por ano – a capacidade de produção que é desperdiçada, mais a despesa em custos de protecção social. Em cada ano, perde-se assim mais do que o total das despesas previstas para todas as grandes obras públicas nos próximos quinze anos. O desemprego é o problema. Esquecer esta dimensão é obscurecer o essencial e subestimar gravemente os riscos de uma crise social dramática.

A crise global exige responsabilidade a todos os que intervêm na esfera pública. Assim, respondemos a esta ameaça de deflação e de depressão propondo um vigoroso estímulo contracíclico, coordenado à escala europeia e global, que só pode partir dos poderes públicos. Recusamos qualquer política de facilidade ou qualquer repetição dos erros anteriores. É necessária uma nova política económica e financeira.

Nesse sentido, para além da intervenção reguladora no sistema financeiro, a estratégia pública mais eficaz assenta numa política orçamental que assuma o papel positivo da despesa e sobretudo do investimento, única forma de garantir que a procura é dinamizada e que os impactos sociais desfavoráveis da crise são minimizados. Os recursos públicos devem ser prioritariamente canalizados para projectos com impactos favoráveis no emprego, no ambiente e no reforço da coesão territorial e social: reabilitação do parque habitacional, expansão da utilização de energias renováveis, modernização da rede eléctrica, projectos de investimento em infra-estruturas de transporte úteis, com destaque para a rede ferroviária, investimentos na protecção social que combatam a pobreza e que promovam a melhoria dos serviços públicos essenciais como saúde, justiça e educação.

Desta forma, os recursos públicos servirão não só para contrariar a quebra conjuntural da procura privada, mas também abrirão um caminho para o futuro: melhores infra-estruturas e capacidades humanas, um território mais coeso e competitivo, capaz de suportar iniciativas inovadoras na área da produção de bens transaccionáveis.

Dizemo-lo com clareza porque sabemos que as dúvidas, pertinentes ou não, acerca de alguns grandes projectos podem ser instrumentalizadas para defender que o investimento público nunca é mais do que um fardo incomportável que irá recair sobre as gerações vindouras. Trata-se naturalmente de uma opinião contestável e que reflecte uma escolha político-ideológica que ganharia em ser assumida como tal, em vez de se apresentar como uma sobranceira visão definitiva, destinada a impor à sociedade uma noção unilateral e pretensamente científica.

Ao contrário dos que pretendem limitar as opções, e em nome do direito ao debate e à expressão do contraditório, parece-nos claro que as economias não podem sair espontaneamente da crise sem causar devastação económica e sofrimento social evitáveis e um lastro negativo de destruição das capacidades humanas, por via do desemprego e da fragmentação social. Consideramos que é precisamente em nome das gerações vindouras que temos de exigir um esforço internacional para sair da crise e desenvolver uma política de pleno emprego. Uma economia e uma sociedade estagnadas não serão, certamente, fonte de oportunidades futuras.

A pretexto dos desequilíbrios externos da economia portuguesa, dizem-nos que devemos esperar que a retoma venha de fora através de um aumento da procura dirigida às exportações. Propõe-se assim uma atitude passiva que corre o risco de se generalizar entre os governos, prolongando o colapso em curso das relações económicas internacionais, e mantendo em todo o caso a posição periférica da economia portuguesa.

Ora, é preciso não esquecer que as exportações de uns são sempre importações de outros. Por isso, temos de pensar sobre os nossos problemas no quadro europeu e global onde nos inserimos. A competitividade futura da economia portuguesa depende também da adopção, pelo menos à escala europeia, de mecanismos de correcção dos desequilíbrios comerciais sistemáticos de que temos sido vítimas.

Julgamos que não é possível neste momento enfrentar os problemas da economia portuguesa sem dar prioridade à resposta às dinâmicas recessivas de destruição de emprego. Esta intervenção, que passa pelo investimento público económica e socialmente útil, tem de se inscrever num movimento mais vasto de mudança das estruturas económicas que geraram a actual crise. Para isso, é indispensável uma nova abordagem da restrição orçamental europeia que seja contracíclica e que promova a convergência regional.

O governo português deve então exigir uma resposta muito mais coordenada por parte da União Europeia e dar mostras de disponibilidade para participar no esforço colectivo. Isto vale tanto para as políticas destinadas a debelar a crise como para o esforço de regulação dos fluxos económicos que é imprescindível para que ela não se repita. Precisamos de mais Europa e menos passividade no combate à crise.

Por isso, como cidadãos de diversas sensibilidades, apelamos à opinião pública para que seja exigente na escolha de respostas a esta recessão, para evitar que o sofrimento social se prolongue.

Manuel Brandão Alves, Economista, Professor Catedrático, ISEG; Carlos Bastien, Economista, Professor Associado, ISEG; Jorge Bateira, Economista, doutorando, Universidade de Manchester; Manuel Branco, Economista, Professor Associado, Universidade de Évora; João Castro Caldas, Engenheiro Agrónomo, Professor Catedrático, Departamento de Economia Agrária e Sociologia Rural do Instituto Superior de Agronomia; José Castro Caldas, Economista, Investigador, Centro de Estudos Sociais; Luis Francisco Carvalho, Economista, Professor Auxiliar, ISCTE-IUL; João Pinto e Castro, Economista e Gestor; Ana Narciso Costa, Economista, Professora Auxiliar, ISCTE-IUL; Pedro Costa, Economista, Professor Auxiliar, ISCTE-IUL; Artur Cristóvão, Professor Catedrático, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro; Álvaro Domingues, Geógrafo, Professor Associado, Faculdade da Arquitectura da Universidade do Porto; Paulo Areosa Feio, Geógrafo, Dirigente da Administração Pública; Fátima Ferreiro, Professora Auxiliar, Departamento de Economia, ISCTE-IUL; Carlos Figueiredo, Economista; Carlos Fortuna, Sociólogo, Professor Catedrático, Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra; André Freire, Politólogo, Professor Auxiliar, ISCTE; João Galamba, Economista, doutorando em filosofia, FCSH-UNL; Jorge Gaspar, Geógrafo, Professor Catedrático, Universidade de Lisboa; Isabel Carvalho Guerra, Socióloga, Professora Catedrática; João Guerreiro, Economista, Professor Catedrático, Universidade do Algarve; José Manuel Henriques, Economista, Professor Auxiliar, ISCTE-IUL; Pedro Hespanha, Sociólogo, Professor Associado, Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra; João Leão, Economista, Professor Auxiliar, ISCTE-IUL; António Simões Lopes, Economista, Professor Catedrático, ISEG; Margarida Chagas Lopes, Economista, Professora Auxiliar, ISEG; Raul Lopes, Economista, Professor Associado, ISCTE-IUL; Francisco Louçã, Economista, Professor Catedrático, ISEG; Ricardo Paes Mamede, Economista, Professor Auxiliar, ISCTE-IUL; Tiago Mata, Historiador e Economista, Universidade de Amesterdão; Manuel Belo Moreira, Engenheiro Agrónomo, Professor Catedrático, Departamento de Economia Agrária e Sociologia Rural, Instituto Superior de Agronomia; Mário Murteira, Economista, Professor Emérito, ISCTE- IUL; Vitor Neves, Economista, Professor Auxiliar, Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra; José Penedos, Gestor; Tiago Santos Pereira, Investigador, Centro de Estudos Sociais; Adriano Pimpão, Economista, Professor Catedrático, Universidade do Algarve; Alexandre Azevedo Pinto, Economista, Investigador, Faculdade de Economia da Universidade do Porto; Margarida Proença, Economista, Professora Catedrática, Escola de Economia e Gestão, Universidade do Minho; José Reis, Economista, Professor Catedrático, Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra; João Rodrigues, Economista, doutorando, Universidade de Manchester; José Manuel Rolo, Economista, Investigador, Instituto de Ciências Sociais; António Romão, Economista, Professor Catedrático, ISEG-UTL; Ana Cordeiro Santos, Economista, Investigadora, Centro de Estudos Sociais; Boaventura de Sousa Santos, Sociólogo, Professor Catedrático, Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra; Carlos Santos, Economista, Professor Auxiliar, Universidade Católica Portuguesa; Pedro Nuno Santos, Economista; Mário Rui Silva, Economista, Professor Associado, Faculdade de Economia do Porto; Pedro Adão e Silva, Politólogo, ISCTE; Nuno Teles, Economista, doutorando, School of Oriental and African Studies, Universidade de Londres; João Tolda, Economista, Professor Auxiliar, Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra; Jorge Vala, Psicólogo Social, Investigador; Mário Vale, Geógrafo, Professor Associado, Universidade de Lisboa. in publico.pt, 27 de Junho 2009


O CRISTO DA POLÍTICA PORTUGUESA

À medida que se sente mais e mais acossado, José Sócrates está a ultrapassar todos os limites. Numa coisa estamos de acordo: ele tem vergonha da democracia portuguesa por ser "terreno propício para as campanhas negras"; eu tenho vergonha da democracia portuguesa por ter à frente dos seus destinos um homem sem o menor respeito por aquilo que são os pilares essenciais de um regime democrático... percebe-se agora porque gosta tanto de Hugo Chávez.


Nova Esquerda

Chama-se Nova Esquerda. Vai organizar-se e funcionar como movimento, mas legalmente ficará inscrito como partido no Tribunal Constitucional. É apresentado quarta-feira em Lisboa. Junta os alegristas que ficaram descontentes com a decisão de Manuel Alegre de não sair do PS.

Alexandre Azevedo Pinto, porta-voz da comissão promotora, explicou ao PÚBLICO que o novo movimento junta pessoas que estiveram com Alegre na candidatura a Presidente e que "não querem ver perdido o capital de esperança" que ela representou.

Os promotores são cerca de 200 pessoas que saem do PS ou do Movimento de Intervenção e Cidadania. A tarefa imediata é recolher as cinco mil assinaturas necessárias para formalizar o movimento no Tribunal Constitucional como partido.

Os promotores acreditaram até ao último minuto em que Alegre romperia com o PS e ocupariam o espaço que consideram ser o espaço natural do ideário e do discurso do ex-candidato presidencial. E defenderam-no mesmo num documento divulgado antes de Alegre anunciar que ficava no PS (PÚBLICO (13/5/2009).

O novo movimento-partido, segundo o seu porta-voz, pretende ocupar o espaço sociológico que foi criado pela candidatura presidencial de Alegre e que depois se confirmou na candidatura à Câmara de Lisboa de Helena Roseta e que Alexandre Azevedo Pinto classifica como "um buraco negro que não está preenchido". O Bloco de Esquerda tem, de acordo com Azevedo Pinto, tentado ocupá-lo, mas não é o seu espaço natural. in publico.pt, 18.06.2009, 07h45


Por quem corre o PS?

Os deputados do PS contrariaram a abertura manifestada pelo ministro do Trabalho para alterar excepcionalmente a forma de actualização das pensões, de modo a impedir que em períodos de deflação as pensões baixem.

Em causa está o mecanismo de actualização automática aprovada por este Governo. Em vez das decisões políticas arbitrárias de aumento das pensões, o Governo estipulou uma forma objectiva de actualização das pensões. Mas a fórmula de cálculo dessa actualização é que se tornou polémica.
...
Mas na altura a possibilidade de uma quebra dos preços não estava no horizonte económico e ficou apenas prevista uma recuperação do poder de compra das pensões, quando a inflação sobe. Ora, a previsão para este ano aponta para uma quebra dos preços, o que, somado a um período de recessão que se atravessa, implicará uma descida das pensões num momento em que os beneficiários mais sentem necessidade.


O que se passa no Irão?

— A televisão estatal iraniana, contrariando uma interdição do Ministério do Interior, que proibiu os jornalistas de cobrirem “manifestações ilegais”, exibiu ontem imagens dos apoiantes de Mir-Hossein Mousavi em mais um protesto contra os resultados das presidenciais do dia 12.

Cerca de “500 mil” pessoas desfilaram em silêncio, da praça de Haft-e Tir para a de Vali Asr, em Teerão. Muitos faziam o sinal de vitória e alguns erguiam cartazes onde se lia: “A anulação das eleições é um direito nosso” –aparente brincadeira com o slogan de Mahmoud Ahmadinejad “A energia nuclear é um direito nosso”.

— A Assembleia de Peritos do Irão, organismo com o poder de nomear e demitir o Supremo Líder, foi convocada pelo seu presidente, Ali Akbar Hashemi Rafsanjani, para uma “reunião de emergência”. (CNN e The Huffington Post)

— Os comerciantes do bazar de Teerão, que contribuíram para a queda da monarquia Pahlavi quando financiaram a revolução islâmica, planeiam juntar-se aos protestos contra a reeleição de Mahmoud Ahmadinejad. (BBC)

— Mohsen Rezai, candidato conservador às presidenciais e discípulo de Khamenei, exigiu que lhe fossem fornecidos, até ao fim do dia de ontem, números precisos dos votos expressos, admitindo que poderá pedir a repetição das eleições. (AFP)

— Agentes das forças especiais têm protegido os apoiantes de Mousavi em confrontos com a milícia Basiji, indiciando divisões no aparelho de segurança. (The Independent). 17.06.2009, 22h03


Só lhes falta tocar piano e falarem francês

«Hoje todas as nossas crianças falam Inglês e todas as nossas crianças têm computadores Magalhães». José Sócrates: «Estou muito satisfeito comigo» in sol.pt, 17 Junho


Grande lata

José Sócrates assumiu o «erro» de uma avaliação de professores «burocrática»...

«Erramos ao propôr uma avaliação tão exigente, tão complexa e tão burocrática», admitiu, não garantindo a continuidade de Maria de Lurdes Rodrigues no executivo em caso de reeleição. idem

Nota: só agora é que deu conta?! Hum... se calhar andou a ler algum romance e já está a pensar nas virtuais mazelas eleitorais... Não se preocupe porque as crianças portuguesas falam inglês mas não sabem ler português e os respectivos "paizinhos" quando lêem alguma coisa é a Bola ou a Maria. Tenha cuidado... A Independente já fechou e como não tem 16 de média final de licenciatura (he, he)... ainda vai necessitar de uma ou um catedrático que o proponha a doutoramento. Não quer ser um engenheirozeco pois não?


Auditores "têm falhado muito"

O sistema bancário "sombra" vai desaparecer com o reforço da regulação que resultará desta crise, afirmou hoje o Governador do Banco de Portugal (BdP), que acrescenta que os auditores "têm falhado muito" e também em Portugal. Por Lusa, 17.06.2009, 12h14

Nota: a sério?!!


Buscas judiciais na empresa que fabrica Magalhães

A firma JP Sá Couto, que produz o computador Magalhães, está a ser alvo de buscas por parte das autoridades judiciais, avançou a SIC Notícias. PÚBLICO, 17.06.2009, 12h47


English Translation

Labels: ,

2009/06/16

Uma mulher arrogante, feia e má

Labels: ,

China's Bully Boys

Around 11 a.m., as Su and her family were trying to make few sales, a white van swooped in. At least 10 men jumped out and began confiscating the family's fruit and three-wheeled cart. "My mother would not let them take the cart," says Su's daughter...

Su suffered a concussion and a broken finger...

The officers told Su that the men in the van were working for their department, a law-enforcement agency that is responsible for controlling street vendors...
...
In south-eastern Jiangxi province, local residents say bureau officers beat to death a farmer who was trying to stop a land-reclamation project.
...
In late April, a law-enforcement officier posted on the Internet parts of a manual that instructed officers on how to beat suspects without leaving marks...
...
When the construction boss, Wei Wenhua, began filming the clash between the chengguan and protestors, the city management officers turned on Wei and beat him to death. in Time, June 22


Largest antigovernment demonstration

TEHRAN — Thousands of people began massing in the streets here again on Tuesday to protest Iran’s disputed presidential election, increasing tensions a day after clashes left at least seven people dead during the largest antigovernment demonstration since the Iranian revolution. nytimes.com

Labels: ,

2009/06/13

Henri Pousseur

The Belgian avant-garde composer Henri Pousseur, who has died aged 79, possessed an extraordinarily complex but undogmatically creative mind. Highly regarded in his own country and widely acknowledged in the Netherlands and Germany, he was less well known in France and hardly at all in Britain, with two notable exceptions.

In 1978, he accepted a major commission from the newly formed electro-acoustic vocal quartet Electric Phoenix. The resulting half-hour marathon, Tales and Songs from the Bible of Hell, would shape the group's technology and aesthetics for years to come. From 2004, he worked with the Lansdown Centre for Electronic Arts at Middlesex University, north London, to develop a digitised version of Scambi (Exchanges), an unorthodox "open form" tape-music composition that he had constructed as early as 1957. Guardian

Labels: ,

2009/06/09

Um conto de embalar

Imagine-se um povo de broncos e corruptos que elegeu um governo com broncos e corruptos. Imagine-se que, evidentemente, isso aconteceu fora da Europa e da UE, onde todos são impolutos e cultivados, o paraíso terreal...

Imagine-se que um dia o governo com broncos e corruptos decide que quem não cantar o hino nacional de hora em hora leva vergastadas públicas, argumentando que esse ponto consta do seu programa eleitoral, que ninguém leu.

Imagine-se que os militares desse país, apesar de patriotas como todos os militares, acham essa exigência uma aberração, apesar de constar de um programa que virtualmente foi votado e aprovado.

Imagine-se que os militares derrubam o governo e prendem os corruptos, governo esse que de facto foi eleito com uma maioria absoluta dos votos expressos.

Quem teria a razão? O governo que quiz cumprir o que constava do seu programa eleitoral, ou os militares que o impediram de impôr uma aberração?

Existe a versão trágica deste conto:

Os militares concordaram com o governo, desde que se reduzisse a dose diária de hino pátrio obrigatório a cinco. Houve incontáveis vergastações públicas: se muitos faziam as "práticas", como passou a ser designada a repetida ladainha, e rapidamente subiram o escalão da vida, outros preferiram as vergastadas a terem de a entoar. De tanto sofrimento compadeceu-se a vizinhança que em meia dúzia de horas ocupou o sofrido reino. Qual a surpresa quando os ex-governantes e seus lacaios começaram a louvar os misericordiosos ocupantes. A surpresa transformou-se numa raiva tão grande que nem os muito desejados ocupantes puderam evitar a carnificina que se seguiu. A questão inverte-se, passando a ser: quem teve a culpa?


A ministra

Miguel Real escreve sobre uma mulher "maquiavélica, calculista, feia e má, que reduz a realidade ao cálculo dos seus interesses" in Público, P2, 7 de Junho, pag 11

Nota: na Fnac do Chiado, em Lisboa, o romance de Miguel Real nem sequer se encontrava (dia 12) na secção das "novidades", onde habitualmente aparece tudo e mais alguma coisa que vai sendo publicado... Um pouco mais acima, na Livraria Bertrand, pôde ser visto na montra principal, ainda que com algum esforço dado que se encontrava numa das partes laterais da montra. Até parece que há uma "cabala" para impedir que o livro se transforme num best-seller... Li as primeiras vinte páginas num ápice, em pé, e posso afirmar tratar-se de uma literatura de "rasgos" com consistência estilística. Quanto ao grau de ficção não sei dizer, dado todos sabermos que por vezes a realidade é mais impressionante que a própria ficção.


Tudo menos a possibilidade de aprender

Primeiro pensei que fosse um azar doméstico. Depois comecei a perguntar a outras pessoas, pois não me parecia que tal pudesse ser verdade. Agora estou mais ou menos convencida que se trata duma prática generalizada. Refiro-me à paixão pela tralha e ao horror à experimentação que se tem instalado nas escolas portuguesas. Como venho duma geração que nas mais comuns escolas públicas fez experiências em laboratórios, desde a electrólise da água à decantação, e percebeu, abrindo pombos e peixes, porque voavam os primeiros e nadavam os segundos, não entendo como é possível que tudo isto e muito mais que anteriormente era prático se tenha transformado numa fastidiosa matéria teórica. Nem sequer umas raízes tipo cenouras à mão de semear em qualquer casa têm entrada nas salas de aulas. Atulhadinhas de manuais aos quais se juntam agora os livros de preparação para os testes e outros de revisões, sem esquecer que muitas salas já têm quadros interactivos e computadores, sejam Magalhães ou outros quaisquer, as criancinhas portuguesas, até ao 9.º ano, frequentam pouco os laboratórios das escolas, fixando os nomes e os resultados de experiências que não fazem. Parafraseando o poeta António Gedeão (ou se se quiser o professor e divulgador científico Rómulo de Carvalho, pois ambos são a mesma pessoa) os alunos de hoje são como Filipe II, o rei que “tinha tudo, tudo” menos “um fecho éclair”. Muitos dos alunos de hoje têm “tudo, tudo” menos a possibilidade de aprender.


Despesa irregular sobe 60 por cento

É o título do Global de hoje, dia 9. "Tribunal de Contas efectuou 1787 acções de controlo durante 2008 e detectou despesa pública irregular superior a 1,28 mil milhões de euros, mais 60 por cento do que em 2007", lê-se como sub-título.

Nota: não era o governo que ia reduzir as despesas do Estado e até despediu funcionários públicos para alcançar esse objectivo? Afinal haviam outras (despesas)... Aparentemente ilegais...


A coisa está a aquecer

Na sequência da notícia do SOL sobre a descoberta de cópias de documentos da venda de um apartamento à mãe de José Sócrates, uma ex-notária entregou esta manhã ao 21.º Cartório Notarial de Lisboa um conjunto documentos até agora desaparecidos.

Lídia Menezes, de 75 anos, compareceu logo de manhã no 21.º cartório notarial de Lisboa para entregar vários dossiês de documentos desaparecidos do cartório.

Segundo uma fonte contactada pelo SOL, a antiga notária alega que os documentos foram levados por uma ex-funcionária entretanto falecida, que os entregou a Lídia Menezes pouco antes da sua morte.

Na ausência da actual notária, Luísa Vieira, os dossiês foram colocados num caixote selado e só serão analisados na segunda-feira. Para já, desconhece-se o conteúdo dos mesmos. in sol.pt, 12 de Junho


Ligações à Camorra

O SOL recuperou os documentos de identificação da sociedade offshore que em 1998 vendeu um apartamento no Edifício Heron Castilho a Maria Adelaide Monteiro, mãe do primeiro-ministro, e que desapareceram do 21.º Cartório Notarial de Lisboa, onde foi feita a escritura de compra e venda.

Os documentos da Stoldberg Investiments Limited mostram que esta offshore, com sede nas Ilhas Virgens Britânicas, tem como procuradora uma portuguesa que vive com o líder de um grupo imobiliário perseguido em França por ligações à Camorra e que reside agora no Algarve.

O desaparecimento dos documentos tinha sido participado pela Ordem dos Notários, tendo o Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP) de Lisboa instaurado já um inquérito. O SOL encontrou cópias autenticadas desses documentos no 2.º Cartório Notarial de Lisboa – onde, quatro anos antes, a Stoldberg comprara o apartamento em causa à Heron Internacional (outra sociedade offshore, proprietária da maioria deste edifício situado na rua Castilho, em Lisboa, onde o primeiro-ministro também comprou um apartamento dois meses antes da mãe, por 47 mil contos). idem


Os reguladores são um fracasso

O problema não é um problema de líderes. Não estamos a fazer ajuste de contas com Sócrates, estamos a discutir a coerência profunda deste governo. Foi a voz dos interesses económicos dominantes em Portugal ao longo do último século até hoje. É a ideia de que Portugal deve ser um país pobre, de salários baixos, de exploração intensa, de grande desigualdade, a maior na Europa, acumulação vertiginosa de fortunas pessoais nas mãos de uma máfia financeira de que alguns pequenos elementos foram revelados pelo caso BCP, BPN e BPP. Mas aquilo não é defeito, é feitio, é uma forma de criar o poder económico em Portugal. Nós queremos derrotá-lo. Uma esquerda maioritária tem que ser refeita vencendo as políticas do PS.
...
Os reguladores são um fracasso. A supervisão é uma anedota para enganar os incautos. Agora, eu não quero nenhum estado burocratizado a dirigir a economia. Acho é que, onde não há concorrência, porque é que se há-de entregar o monopólio a privados para eles abusarem dos preços em relação às pessoas, que ficam indefesas?
...
Nós queremos ser uma componente central da esquerda portuguesa, porque achamos que o Partido Socialista se tem deslocado cada vez mais para o centro, que se define a si próprio como partido do centro. E é no centro que está o colapso. Francisco Louçã em entrevista ao I.


Penas mais duras

E apelou (Vitor Constâncio) a um quadro penal "mais ágil, mais célere e com penas maiores" in Jornal de Negócios, 9 de Junho, pag 11


Perguntem à Maya

A indústria das sondagens tem um poder de autopromoção invulgar – esses gurus dos tempos pós-modernos acertam sempre mesmo quando falham clamorosamente. Durante semanas, quase em uníssono, juraram que o PS iria ganhar, apenas divergindo na diferença a que ficaria o PSD. O CDS foi reduzido à sua expressão mais ínfima. Só no último dia da campanha surgiu um ‘estudo’ que colocava o PSD a vencer, mas por pouco.

Na antiguidade, as predições eram feitas por sacerdotes que procuravam as pistas do futuro nas tonalidades do fígado das aves. Mais tarde, as folhas de chá tiveram algum sucesso.

Qualquer um dos métodos é mais barato do que as fortunas que agora se pagam às empresas que fazem vaticínios travestidos de ciência – e os resultados têm rigor semelhante.


A sucessão na Cinemateca Portuguesa

A CP (hum...), dizia a Cinemateca Portuguesa é talvez a instituição cultural em Portugal que mais consistentemente tem apresentado um trabalho que a destaca entre as várias instituições.

Coloca-se agora a questão de lhe dar uma (boa) continuidade, depois do desaparecimento o seu carismático presidente.

Hoje (9 de Junho) no Público, P2, uma longa peça tratava este assunto. Independentemente das divergências que surgiram entre o João Bernard da Costa e o José Manuel Costa, parece-me que este é quem "naturalmente" deveria suceder ao primeiro. José Manuel Costa é engenheiro (a sério) por formação e começou na cinemateca tratando do arquivo. No entanto possui uma sólida formação cinéfila, que pude testemunhar como seu aluno em Géneros Cinematográficos e História da Imagem (agora História do Cinema) na Universidade Nova de Lisboa. Não estou a fazer um frete ao José Manuel, com quem aliás nunca tive uma relação de proximidade e até tive alguns atritos quando ele perdeu a "curta" que realizei para "géneros" (ou seria para História da Imagem? Já foi há tantos anos que não me lembro bem), dizendo que a culpa era minha porque eu deveria ter feito uma cópia de segurança, e me baixou a nota em um ponto, impedindo-me de finalizar com a classificação máxima que ele atribuiu naquele ano naquela disciplina. Portanto, quando digo que ele seria o sucessor "natural" de João Bernard da Costa, digo-o com a convicção de que iria desempenhar um bom trabalho* e estar à altura do seu antecessor, conciliando a tradição com algum arrojo e inovação. Não basta escrever umas páginas nos jornais sobre isto e sobre aquilo e já agora, porque não, também sobre cinema... Para estar à frente de uma Cinemateca com tradição e prestígio deseja-se e necessita-se alguém que vive e ama a arte cinematográfica desde há muito.

* desde que não faça aos filmes da Cinemateca o que fez à minha "curta"...


Há crime

O ministro das Finanças, Fernando Teixeira dos Santos, assegurou hoje que a supervisão não falhou no caso do Banco Privado Português (BPP) e salientou que no banco fundado por João Rendeiro estão em causa situações criminais.

"Houve prática de crimes no âmbito da actividade deste banco”, afirmou hoje Fernando Teixeira dos Santos, na conferência de imprensa que se seguiu à reunião do Conselho de Ministros e em que anunciou a solução para o BPP. O ministro adiantou que no BPP "foram detectadas irregularidades graves que substanciam acto de crime" e exemplificou com a existência de "operações fictícias, em prejuízo dos clientes", além de "falsificação contabilística”.

“Não há sistema que evite que quem quer cometer uma fraude, a cometa”, acrescentou o ministro, rejeitando quaisquer culpas da acção do Banco de Portugal.

“Não há aqui falha de supervisão”, afirmou Teixeira dos Santos. O ministro das Finanças fez a ponte com o caso BPN para referir que, à luz das “explicações dadas [pelo governador do Banco de Portugal] no âmbito da comissão de inquérito" ao BPN, fica claro que a “a actividade de supervisão não falhou”.

“Não podemos garantir que não se cometem crimes”, acrescentou Teixeira dos Santos, para frisar que nestas situações há é “que exigir que a justiça funcione”. in publico.pt, 09.06.2009, 15h44

Nota: posso estar errado, mas não é o Constâncio que ganha mais que este senhor? Portanto deveria ser mais eficaz o equivalente à percentagem que ganha a mais, mais a percentagem resultante da diferença entre o PIB dos EUA e o português, mais o resultante da diferença entre a eficácia relativa do FED e a do BdP, mais o resultante da percepção subjectiva que o mundo tem da importância do FED em relação ao BdP... E se de facto há crime, como tudo parece indicar, o senhor Rendeiro não deveria já estar a ver o Sol aos quadradinhos?


English Translation

2009/06/08

The Times Top 200 Artists of the 20th Century

Welcome to The Times Top 200 Artists of the 20th Century to Now, created in association with the Saatchi Gallery.

Sixteen weeks after we invited you to have your say, the votes are in - all 1,461,523 of them - and we can reveal who you think are the most significant 200 painters, sculptors, photographers, video and installation artists working since 1900.


# - Artist - Votes

1 Pablo Picasso 21587

2 Paul Cezanne 21098

3 Gustav Klimt 20823

4 Claude Monet 20684

5 Marcel Duchamp 20647

6 Henri Matisse 17096

7 Jackson Pollock 17051

8 Andy Warhol 17047

9 Willem De Kooning 17042

10 Piet Mondrian 17028

11 Paul Gauguin 17027

12 Francis Bacon 17018

13 Robert Rauschenberg 16956

14 Georges Braque 16788

15 Wassily Kandinsky 16055

16 Constantin Brancusi 14224

17 Kasimir Malevich 13609

18 Jasper Johns 12988

19 Frida Kahlo 12940

20 Martin Kippenberger 12784

21 Paul Klee 12750

22 Egon Schiele 12696

23 Donald Judd 12613

24 Bruce Nauman 12517

25 Alberto Giacometti 12098

26 Salvador Dalí 11496

27 Auguste Rodin 8989

28 Mark Rothko 8951

29 Edward Hopper 8918

30 Lucian Freud 8897

31 Richard Serra 8858

32 Rene Magritte 8837

33 David Hockney 8787

34 Philip Guston 8786

35 Henri Cartier-Bresson 8779

36 Pierre Bonnard 8778

37 Jean-Michel Basquiat 8746

38 Max Ernst 8737

39 Diane Arbus 8733

40 Georgia O'Keeffe 8714

41 Cy Twombly 8708

42 Max Beckmann 8690

43 Barnett Newman 8643

44 Giorgio De Chirico 8462

45 Roy Lichtenstein 7441

46 Edvard Munch 5080

47 Pierre Auguste Renoir 5063

48 Man Ray 5050

49 Henry Moore 5045

50 Cindy Sherman 5041

51 Jeff Koons 5028

52 Tracey Emin 4961

53 Damien Hirst 4960

54 Yves Klein 4948

55 Henri Rousseau 4944

56 Chaim Soutine 4927

57 Arshile Gorky 4926

58 Amedeo Modigliani 4924

59 Umberto Boccioni 4918

60 Jean Dubuffet 4910

61 Eva Hesse 4908

62 Edouard Vuillard 4899

63 Carl Andre 4898

64 Juan Gris 4898

65 Lucio Fontana 4896

66 Franz Kline 4894

67 David Smith 4842

68 Joseph Beuys 4480

69 Alexander Calder 3241

70 Louise Bourgeois 3240

71 Marc Chagall 3224

72 Gerhard Richter 3123

73 Balthus 3090

74 Joan Miro 3087

75 Ernst Ludwig Kirchner 3084

76 Frank Stella 3078

77 Georg Baselitz 3048

78 Francis Picabia 3046

79 Jenny Saville 3034

80 Dan Flavin 3024

81 Alfred Stieglitz 3017

82 Anselm Kiefer 3010

83 Matthew Barney 3005

84 George Grosz 2990

85 Bernd And Hilla Becher 2980

86 Sigmar Polke 2966

87 Brice Marden 2947

88 Maurizio Cattelan 2940

89 Sol LeWitt 2926

90 Chuck Close 2915

91 Edward Weston 2899

92 Joseph Cornell 2893

93 Karel Appel 2890

94 Bridget Riley 2885

95 Alexander Archipenko 2884

96 Anthony Caro 2879

97 Richard Hamilton 2878

98 Clyfford Still 2864

99 Luc Tuymans 2862

100 Claes Oldenburg 2843

101 Eduardo Paolozzi 2839

102 Frank Auerbach 2836

103 Dinos and Jake Chapman 2827

104 Marlene Dumas 2827

105 Antoni Tapies 2825

106 Giorgio Morandi 2824

107 Walker Evans 2823

108 Nan Goldin 2819

109 Robert Frank 2818

110 Georges Rouault 2818

111 Jean Arp 2817

112 August Sander 2809

113 James Rosenquist 2808

114 Andreas Gursky 2804

115 Eugene Atget 2802

116 Jeff Wall 2790

117 Ellsworth Kelly 2789

118 Bill Brandt 2787

119 Christo And Jeanne Claude 2782

120 Howard Hodgkin 2781

121 Josef Albers 2781

122 Piero Manzoni 2777

123 Agnes Martin 2771

124 Anish Kapoor 2768

125 L.S. Lowry 2761

126 Robert Motherwell 2754

127 Robert Delaunay 2747

128 Stuart Davis 2742

129 Ed Ruscha 2731

130 Gilbert & George 2729

131 Stanley Spencer 2720

132 James Ensor 2719

133 Fernand Leger 2718

134 Brassai (Gyula Halasz) 2717

135 Alexander Rodchenko 2715

136 Robert Ryman 2711

137 Ad Reinhardt 2709

138 Hans Bellmer 2700

139 Isa Genzken 2699

140 Kees Van Dongen 2698

141 Weegee 2698

142 Paula Rego 2695

143 Thomas Hart Benton 2689

144 Hans Hofmann 2684

145 Vladimir Tatlin 2679

146 Odilon Redon 2653

147 George Segal 2619

148 Jorg Immendorff 2611

149 Robert Smithson 2435

150 Peter Doig 2324

151 Ed and Nancy Kienholz 2293

152 Richard Prince 2266

153 Ansel Adams 2262

154 Naum Gabo 2256

155 Diego Rivera 2239

156 Barbara Hepworth 2237

157 Nicolas De Stael 2237

158 Walter De Maria 2229

159 Felix Gonzalez-Torres 2228

160 Giacomo Balla 2225

161 Ben Nicholson 2221

162 Anthony Gormley 2218

163 Lyonel Feininger 2216

164 Emil Nolde 2213

165 Mark Wallinger 2211

166 Hermann Nitsch 2209

167 Paul Signac 2209

168 Jean Tinguely 2209

169 Kurt Schwitters 2209

170 Grayson Perry 2208

171 Julian Schnabel 2208

172 Raymond Duchamp-Villon 2208

173 Robert Gober 2208

174 Duane Hanson 2208

175 Richard Diebenkorn 2207

176 Alex Katz 2207

177 Alighiero E Boetti 2206

178 Henri Gaudier-Brzeska 2206

179 Laszlo Moholy-Nagy 2205

180 Jacques-Henri Lartigue 2205

181 Robert Morris 2205

182 Sarah Lucas 2204

183 Jannis Kounellis 2204

184 Chris Burden 2204

185 Otto Dix 2203

186 David Bomberg 2203

187 Fischli & Weiss 2203

188 Augustus John 2203

189 Marsden Hartley 2203

190 Takashi Murakami 2203

191 James Turrell 2202

192 Isamu Noguchi 2201

193 Robert Mangold 2201

194 John Chamberlain 2201

195 Charles Demuth 2200

196 John Currin 2200

197 Alberto Burri 2200

198 Arnulf Rainer 2200

199 David Salle 2200

200 Hiroshi Sugimoto 2199

Resultados transparentes

Ao longo dos anos o PS demonstrou ser um partido dominado por uma "máquina" somente interessada no poder e na distribuição de cargos vários, durante e após o exercício do poder (o PS esteve presente no BPN como todos já sabemos). Não é por acaso que o PS se transformou no partido apoiado por uma luminária como Luis Delgado, o comentador-administrador apoiante incondicional das políticas de Bush. O PS não tem conserto. Todos os militantes e dirigentes cantaram a música que Pinto de Sousa, o grande derrotado destas eleições, lhes disse para cantarem. Nem uma voz crítica, exceptuando o "grupo de Alegre", e até esse grupo de deputados "rebeldes" (só tolerados pelo cinzentão PS devido ao mêdo de uma improvável cisão), se remeteu a um patético silêncio durante a campanha eleitoral. E que mais poderiam fazer estando dentro do PS?

Na Europa os eleitores não escolheram entre socialismo e capitalismo, como Paulo Rangel se apressou a afirmar. O debate ideológico esteve bem ausente destas eleições e o que contou foram "ninharias" do dia a dia dos europeus. Os holandeses não são de extrema-direita. O que os holandeses não estão dispostos a continuar a suportar é os extremistas islâmicos que assassinaram um político e um realizador de cinema. Qual seria a reacção se esses assassinatos tivessem acontecido em Espanha, por exemplo? Teriam os espanhóis esperado tranquilamente pelas eleições para se pronunciarem?

A Itália é definitivamente um caso perdido. Como se não bastasse a Máfia, agora tem o "vírus" Berlusconi, para lavar e durar. Seria bom que a "direita civilizada" de Paulo Rangel se abstesse de dar o exemplo italiano, quando (erradamente) fala na "derrota do socialismo" na Europa. No caso de Itália poder-se-ia falar na vitória de uma certa Máfia. É essa forma de fazer política que o PSD de Paulo Rangel e Manuela Ferreira Leite deseja? Não me parece.

Os europeus disseram claramente que não querem que os bancos sejam salvos com o seu dinheiro. Se os bancos eram os maiores beneficiários do "mercado livre" e dele se aproveitaram até à última gota, devem ser deixados ao justo destino que esse "mercado livre" que lhes era tão querido lhes reserva, destino que é fruto da sua própria actuação e das suas próprias escolhas na procura do lucro máximo.

Em Portugal definitivamente o BE afirmou-se como alternativa ao PS. Ao PS devem ser deixadas as "franjas" da direita, como a luminária Luis Delgado, que representam não mais de 6,58% dos eleitores. Os outros 20% devem votar no BE.

Mais do que nunca a partir de agora: à polícia o que são casos de polícia e à política o que é política.

Quanto ás sondagens estamos conversados sobre a sua validade "científica": só as da Marktest davam a vitória ao PSD.

Ha! Já me esquecia! Os "barões" do PSD foram reduzidos a cinzas. Espero que Ferreira Leite e Rangel façam agora a "limpeza geral" que aquele partido necessita. Os eleitores que neles votaram e que não votariam nos "barões" estarão com eles. De resto se Paulo Rangel decidir ficar a apoiar MFL nas legislativas em vez de ir para Bruxelas, por mais que o PS e os "barões" do PSD esganicem, os eleitores não o penalizarão.


Chico-esperto

O antigo Conselheiro de Estado, Dias Loureiro, não tem bens em seu nome que permitam um possível arresto dos mesmos no âmbito das investigações das autoridades ao caso Banco Português de Negócios (BPN).

A notícia é avançada na edição de hoje do Correio da Manhã com o diário a adiantar que sabe que o ex-administrador da SLN – e braço-direito de Oliveira e Costa no banco – escapou à penhora, depois de os investigadores terem analisado minuciosamente o seu património.

Segundo o jornal, os imóveis de Dias Loureitro estão registados em nome de familiares ou pertencem a sociedades sedeadas em paraísos fiscais. As contas bancárias que tem em seu nome, por outro lado, possuem saldos médios que não ultrapassam os cinco mil euros. in publico.pt, 08.06.2009, 10h05

Nota: João Cravinho, no seu "pacote anti-corrupção", propôs que a justiça podesse deitar mão aos depósitos e bens guardados ou registados em "paraísos fiscais". O governo PS/Pinto de Sousa não aceitou. Passados uns tempos apareceu um livro com prefácio de Dias Loureiro em que Pinto de Sousa, vulgo Sócrates português, era apresentado como o "menino de oiro do PS". Agora é o que se vê...


Ele há coisas...

Enquanto o PS realizou um grande comício em Braga, o PSD teve de esperar até às 11 horas da noite para fazer um comício com meia casa. Mais valia que a líder do PSD tivesse respeitado o seu horror aos comícios. Teria poupado esta humilhação eleitoral.


17,95%

Não é verdade que o eleitorado europeu que se deu ao trabalho de ir votar tenha resolvido penalizar por regra os governos em funções. Em 27 estados, 13 partidos no governo sofreram algum tipo de perda. Há contudo um dado que se destaca: o Partido Socialista português foi, de todos os partidos no governo, aquele que de longe, maior derrota sofreu. Seja por má governação, seja pela avaliação negativa da prestação dos seus deputados europeus, seja pelo mau candidato, seja pelas 3 razões juntas.

Vejam-se as variações de voto entre 2004 e 2009 de todos os partidos actualmente no governo:

Portugal – Partido Socialista (pse): Menos 17,95% que em 2004


6,63%

236.028 cidadãos (duzentos e trinta e seis mil e vinte e oito, ou 6,63%) deram-se ao trabalho de se deslocarem às urnas para… não escolher nenhum partido.


Berlusconi é “coisa”, é “vírus”, é “delinquente”

“Uma coisa perigosamente parecida com um ser humano, uma coisa que dá festas, organiza orgias e manda num país chamado Itália.” Foi assim o começo do artigo de opinião que o Nobel português da Literatura, José Saramgo, escreveu para o diário espanhol “El País”, referindo-se ao primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi.

O título do artigo de Saramago é “A coisa Berlusconi” porque segundo o escritor “não vejo outro nome que lhe poderia dar”.

“Esta coisa, esta enfermidade, este vírus ameaça ser a morte moral do país de Verdi se um vómito profundo não o conseguir arrancar da consciência dos italianos, antes que o veneno acabe corroendo as veias e acabe destroçando o coração de uma das mais ricas culturas europeias.”

Saramago alega que os valores mais básicos da convivência humana são pisados pelo primeiro-ministro italiano e define-o como um delinquente, palavra que, segundo o escritor, tem em Itália o valor mais negativo de toda a Europa. 07.06.2009 - 10h01 PÚBLICO


English Translation

2009/06/05

O Banco Efisa (BPN), a Beltrónica e o ex-Secretário de Estado do PS

«Por falar em Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Dr. Rogério Fernandes Ferreira, o Borda d’Água acabou por descobrir de onde é que vem a grande amizade que este membro do governo nutre pelo Director de Finanças da 2ª. Direcção de Finanças de Lisboa (Raul Castro). Então, não é que o Secretário de Estado, mais conhecido desde os tempos da Católica, pelo “Gerinho do papazinho”, foi advogado e consultor da célebre empresa Beltrónica, até à data da nomeação para o governo. Até aqui, não há mal nenhum!

Porém, a bronca dá-se quando o Borda d’ Água, por escuta de RDIS, apurou que a Beltónica deixou de pagar milhões ao fisco nos últimos exercícios e sabem porquê?

Simplesmente, porque o Director de Finanças (Raul Castro) consultou o Tarot e antevendo a nomeação do “Rogérito J.R.” para o governo, permitiu com a colaboração do chefe de repartição do 8º bairro fiscal, que as respectivas liquidações caducassem. Mais uma vez, o erário público ficou a arder com milhões e os intervenientes com os alforges cheios!

Rogério Fernandes Ferreira J.R., presenteado com tal repasto, está disposto a satisfazer todos os caprichos do seu grande amigo, Raul Castro, tais como:

Renovar a Comissão de serviço desta “sumidade” por mais três anos, a partir do próximo ano, permitindo-lhe tachos e piqueniques à margem das suas funções de Director de Finanças.

Tráfego de influências com o sector do betão, turismo e bola e promessas de depuração dos seus rivais… Enfim, o exemplo da promiscuidade que há entre dirigentes da Administração Pública e governantes!

Por falar em Beltrónica? Borda d’ Água constatou que esta empresa é cliente preferencial do afamado BANCO EFISA. O que é perfeitamente normal!

No entanto, sabe-se à boca cheia que o Banco Efisa tem servido de plataforma para lavagens e transferências chorudas, quer para Londres, quer para “off-shores”, por parte de alguns Directores de Finanças e não só


Sócrates representa governo falhado

"Se sete por cento era a marca de uma governação falhada, o que há-de ser o desemprego a caminho dos 10 por cento senão a marca de uma governação clamorosamente falhada", disse Miguel Portas esta terça-feira em S. João da Madeira, num comício no centro da cidade em que foram dominantes as críticas ao governo de José Sócrates.

Referindo-se ao balanço da governação do PS, Miguel Portas referiu que em Portugal, 40% dos trabalhadores ganham até 600 euros. "Mas toda a gente sabe que os preços em Portugal são ao nível dos europeus. Para quando os portugueses terão também salários europeus?", questionou, afirmando que o que separa o Bloco de Esquerda do PS é precisamente o socialismo, que, no caso do partido de Sócrates, "foi deixado na gaveta".


Juntar-se aos verdes no PE

"Nada me agradaria mais do que ver o BE ganhar coragem para abandonar o GUE à sua sorte, juntando-se, por exemplo, aos Verdes, esses sim verdadeiramente europeístas." Ana Gomes no blog Causa Nossa.


English Translation

Labels: ,

Gerhard Schröder: political prostitute

As Chancellor, Gerhard Schröder was a strong advocate of the Nord Stream pipeline project, which aims to supply Russian gas directly to Germany and thereby bypassing transit countries. The agreement to build the pipeline was signed two weeks before the German parliamentary election. On 24 October 2005, just a few weeks before Schröder stepped down as a Chancellor, the German government guaranteed to cover 1 billion euros of the Nord Stream project cost, should Gazprom default on a loan. However, this guarantee had never been used. Soon after stepping down as chancellor, Schröder accepted Gazprom's nomination for the post of the head of the shareholders' committee of Nord Stream AG, raising questions about a potential conflict of interest. German opposition parties have expressed concern over the issue, as have the governments of countries over whose territory gas is currently pumped. In an editorial entitled Gerhard Schroeder's Sellout, the American newspaper Washington Post has also expressed sharp criticism, reflecting widening international ramifications of Schröder's new post.

Democrat Tom Lantos, chairman of the United States House Committee on Foreign Affairs, likened Schröder to a "political prostitute" for his recent behaviour. In January 2009, the Wall Street Journal that Schröder would join the board of the oil company TNK-BP, a joint venture between oil major BP and Russian partners.
...
In April 2002, Schröder sued the DDP press agency for publishing an opinion of PR consultant Sabine Schwind saying that he "would be more credible if he didn't dye his gray hair". The court decided to ban the media from suggesting that he colors his hair. The Chancellor's spokesman said: "This is not a frivolous action taken over whether he does or doesn't dye his hair, but is a serious issue regarding his word." The agency's lawyer said that they could not accept a verdict which "does not coincide with freedom of the press."
...
During a heated dispute between Russia and Estonia in May 2007 over the removal of a Soviet-era war memorial from the centre of the Estonian capital Tallinn to a military cemetery, Schröder defended the Kremlin's reaction. He remarked that Estonia had contradicted "every form of civilised behaviour". Consequently, the Estonian government cancelled a planned visit by Schröder in his function as chairman of Nord Stream AG. in en.wikipedia.org (June 5, 2009, 15:53 gtm)

Labels: ,

2009/06/04

Tiananmen Square - 4th June 1989

Labels:

Um país medieval

A imprensa portuguesa noticiou na semana passada que, em 2008, houve 41 mulheres mortas pelos respectivos cônjuges e companheiros. Passou sem grande alarido, sem comentários do Governo ou da oposição, nem sequer contou com a opinião dos intelectuais do regime que andam agora muito ocupados com o casamento homossexual. Na verdade, foi uma pequena notícia, dessas que a indiferença da nossa elite leva a que seja enterrada no meio de uma campanha eleitoral para um acto eleitoral em que 60 ou 70% do eleitorado não vai votar. Mas vejamos as coisas. Em termos relativos, Portugal tem mais do dobro de mulheres assassinadas vítimas de violência de género que em Espanha. E possivelmente o número peca por defeito dada a falta de atenção ao tema em Portugal e a verdadeira obsessão que a estatística da violência de género tem tido em Espanha.


O problema

Tudo reside na formaçäo básica! É esta que permite o desenvolvimento de um povo.
...
O problema é a mentalidade e a falta de educacão básica.

Nota: era o grande problema no tempo do Guterres, quando foi feita a entrevista, e não foi resolvido pelos "pedagogos" de serviço. Continua a sê-lo, mas de forma exponencialmente mais profunda e grave, devido à intervenção do actual governo na área da educação, curiosamente um governo do mesmo partido de Guterres... Portugal entrou numa fase de "decadência irreversível", como afirmou José Saramago na famosa entrevista ao jornal La Vanguardia.


Cuba na OEA

SÃO PAULO - Depois de 47 anos mantida fora do grupo, Cuba voltou nesta quarta-feira (3) a integrar a OEA (Organização dos Estados Americanos). O fato ocorreu em Honduras, onde aconteceu a 39ª Assembleia Geral da organização. Segundo o ministro das Relações Exteriores do Equador, Fander Falconi, representantes de todas as nações que compõem o grupo chegaram "a um consenso sobre um texto que não impõe condições" para Cuba retornar à OEA.

O país caribenho fora suspenso da organização em 1962, sob influência dos EUA, quando foi aprovada uma resolução para punir Cuba da acusação de ter recebido armas de países comunistas, como Rússia e China.

"Este é um momento de alegria para todos os latino-americanos (...) muitos de nós não tinham nascido naquele momento e o que esta geração está fazendo é basicamente emendar a história. Aqui temos um desafio de construir uma história diferente", afirmou Falconi.

Representando os EUA no encontro, a secretária de Estado Hillary Clinton foi defendeu que a volta de Cuba para o grupo fosse condicionada a avanços do regime cubano no aumento das liberdades civis e políticas para atender aos critérios democráticos da OEA.

Por sua vez, Cuba declarou que não possui interesse de retornar ao que chamou de "ferramenta dos EUA". Já o Brasil se posicionou diplomaticamente para garantir o fim da suspensão.

Nota: isto é indiscutivelmente muito mais importante para o mundo que o (muito velho) drama de Portugal e dos portugueses. Também isto é importante:

Así, hoy se conocerá dónde ha quedado la hazaña de Geert Wilders, el folclórico candidato de extrema-derecha, autor de un documental contra el islam y quien este año presenta a las europeas, por primera vez, su partido, que podría conseguir cuatro escaños de los 25 holandeses.
...
La representación holandesa en la Eurocámara se parecerá así más a su fragmentado e inestable Parlamento nacional. Entre sus eurodiputados, se quedarán sus miembros más activos, como Sophie in 't Veld, locuaz defensora de la privacidad y quien representa al minúsculo partido izquierdista D-66.


English Translation

Labels: ,

e-mail: criticademusicaATyahooPUNTOfr