2007/09/18


Que fazer? (La Biennale)

Por Pilar Villa

Lenine interrogou-se, Stalin, posteriormente, declarou-o doente e respondeu por ele. Felizmente a arte dispensa este dilema e dispensa absolutismos. Pierre Boulez, uma das figuras mais importantes e determinantes da cena musical e da Arte actuais, declarou, na entrevista que deu ao autor deste blog, ser a contemporaneidade rica, interessante e variada. A Bienal de Veneza acaba de demonstrar isso mesmo: ao lado da previsibilidade de alguns "clássicos" (as aborrecidas "Fontes Venezianas" de Bruce Nauman, para dar um exemplo berrante), os novos impuseram-se (pelo menos demonstraram capacidade para se mostrarem - ou para que os mostrem - num dos eventos mais importantes do mundo) e outros reafirmaram-se. Se o consagrado León Ferrari, da Argentina, criou a imagem de marca desta bienal:


da Guatemala, da India, de Taiwan (Taipei Fine Arts Museum), de Singapura, da Ucrânia, do México e de Itália, chegaram-nos boas e muito interessantes novidades, que nos parece serem relevantes para o futuro da arte (na actualidade, depois de tudo ter sido mal ou bem experimentado, o termo novidade tem de ser entendido com alguma generosidade):











Nota: no topo temos uma imagem de Dusasa II (2007), de El Anatsui (Gana/Quénia)



Dubois...

É bem conhecido o facto de Maurice Ravel (1875-1937), entre os anos de 1901 e 1905, ter, sem sucesso, concorrido ao Prix de Rome. Théodore Dubois (1837-1924), um compositor bem menos conhecido, venceu-o, em 1861; em 1905, contudo, Dubois ver-se-ia forçado a sair do Conservatório de Paris, de que era director desde 1896, precisamente por ter-se recusado a atribuir o Prix de Rome a Maurice Ravel. As peripécias entre os dois não ficariam por aqui: em Maio de 1911, num concerto na Société Musical Indépendante (Paris) em que os autores das obras executadas não foram indicados, o público atribuiu a autoria das Valses Nobles et Sentimentales aos mais diversos compositores, nomeadamente a... Théodore Dubois! in http://desnorte.blogspot.com (Setembro 28, 2007)













Labels:

e-mail: criticademusicaATyahooPUNTOfr