2007/09/09

Sublime atrocidade

Imprint (2006), de Miike Takashi, foi uma encomenda para o final da primeira época de Masters of Horror (que foram transmitidos na televisão via circuíto fechado), séries cujo produtor executivo é o realizador Mick Garris. Imprint seria o 13º episódio da primeira série que acabou só com 12. Apesar de ir passar via cabo, tal não chegou a acontecer por ter sido considerado "demasiado forte". O próprio Mick Garris definiu-o como sendo o filme "mais perturbador" que jamais tinha visto. Não podemos deixar de estabelecer um (virtual) paralelo com o (virtual) "La fin absolue du monde", em Cigarette Burns (2005) de John Carpenter, que também foi uma encomenda de Garris para MOH.

Mas que há em Imprint, que foi exibido em Lisboa integrado no primeiro Festival Internacional de Cinema de Terror, que aconteceu de 5 a 9 de Setembro? Primero gostaria de expressar que, ao contrário da influência que Takashi reivindica (Tarantino), considero que os tempos plasmados das sequências, que são um dos aspectos essenciais deste filme, que têm paralelo no discurso teatralizado das personagens, elemento-chave da dramatização, não é nem a Tarantino, nem à América, que Takashi os deve. A violência em Imprint nada tem a ver com a dos filmes do referido Tarantino. A violência de Miike Takashi também está longe da que vemos em Hostel 2, de Eli Roth, que não é nem banal nem gratuíta, e que tem como antecessor não o seu primeiro Hostel, ou os filmes de quem o produziu (Tarantino again...), mas Saló ou os Cem Dias de Sodoma, de Pier Paolo Pasolini (que foi assassinado pouco depois de terminar o filme...). Estas obras, em vez de serem rotuladas como "pornografia", deveriam conduzir a uma reflexão, a uma indagação, sobre se tudo aquilo que lá aparece é mera ficção. A outra indagação, no caso de termos concluído que toda a ficção tem sólidos alicerces na(s) realidade(s), seria o porquê, a motivação "profunda", "essencial", de tal perversão que assume inquietante realidade nos snuff *. Heidegger escreveu, na "Carta sobre o Humanismo", que a atrocidade faz parte da humanidade do homem. Muitos dizem que para justificar a sua complacência com o nazismo. E não fará a atrocidade, de facto, parte da "humanidade" dos humanos? Que nos diz isto? Não será esta afirmação uma tentativa de reduzir a compreensão do síntoma à simples constatação da sua existência? Não será o limite de uma visão de superfície que procura impedir a análise da(s) "essência(s)"? Não implicará esta constatação, feita com uma curiosa dose de cândura, uma teoria de impotência militante? Do outro lado temos um Karl Popper proclamando que aos inimigos das "sociedades abertas" é necessário opôr toda a força necessária para impedir que eles as destruam. Sociedades abertas que, teoricamente, são constituídas por indivíduos capazes de intuir onde se encontram os limites da sua liberdade individual. A "pedagogia" serve para isso. Se não o conseguir é uma farsa e não passa de uma burla. Ao Estado compete proteger os indivíduos das perversões daqueles que não conseguiram estabelecer fronteiras interiores e criar limites "automáticos" e "naturais" nos seus comportamentos face ao "outro". Na verdade, para os perversos, o "outro" não existe enquanto pessoa: o perverso reduz os outros a meros objectos que ele utiliza para o seu gozo peculiar. Ao Estado compete utilizar a força e metodologias adequadas para proteger os neuróticos e histéricos, que são basicamente sãos, dos perversos e dos "psicopatas".

Quem acontece afinal em Imprint? Nesta obra acontece, simplesmente, que a atrocidade, a "atrocidade limite", para ir buscar uma pertinente definição de Jaspers, é elevada à categoria de sublime. Não no sentido, idiota, com que Stockhausen classificou o ataque às torres gémeas, mas na medida em que, apesar de termos de apertar as mãos, e uma ou duas vezes fechar os olhos, estarmos perante uma obra acabada, onde o monstruoso é, consistentemente, manipulado e colocado ao dispôr de um projecto, plenamente conseguido, de estetização. Imprint não é de todo um "filme de terror" e este festival teve, pelo menos, o mérito de nos permitir visionar esta obra, no mínimo "interessante", da criação contemporânea. AST

* muitos pretendidos snuff (a generalidade dos que se podem ver na net) são encenados. Parte dos verdadeiros são, muito provavelmente, encomendados e inacessíveis a quem esteja fora desse circuito. A discussão seria se existe um gozo, por parte do autor moral (quem faz a encomenda), "meramente" na posição de voyeur, ou se este passa ao acto por interposta pessoa (tal como Zizec refere em um dos capítulos da compilação de textos traduzida para português com o título "A Subjectividade por Vir"). Isto importa unicamente como curiosidade pois tratam-se, ambos os tipos, de criminosos (assim como os "realizadores" e outros colaboradores). No fundo todos os criminosos são perversos.












Labels:

e-mail: criticademusicaATyahooPUNTOfr