2007/06/16

Alfred Brendel contra a tosse

Talvez os "tossantes" não tenham percebido, mas a mensagem de Brendel ao levantar a mão era clara: ou se calam ou vou-me embora. Felizmente, entre os milhares que enchiam o renovado Royal Festival Hall, cuja sonoridade não melhorou sensivelmente, somente um ou dois exprimiram de novo a sua tosse, e com "surdina"... Apesar da brendeliana austeridade, as tosses foram menos que as notas erradas e esmagadas que Brendel deu ao longo do recital, para não falarmos da "passagem desaparecida" no primeiro movimento da sonata de Mozart. Acontece... O Haydn esteve mais ou menos bem. Anos-luz aquém daquilo que Brendel oferece nos discos... A op 110 de Beethoven foi tocada com muito cérebro e pouca emotividade. Não percebo porque é que um espectador, que estava ao meu lado a abanar-se e a mexer os dedos, como quisesse dizer "eu faria assim", se emocionou e chorou... O Schubert foi supremo. Brendel é um dos maiores shubertianos de sempre e isso ficou claro no "encore", que foi talvez o melhor de todo o recital. Os ouvintes ingleses são o que são... Depois de um "encore" fora de série, ovacionaram muito brevemente, levantaram-se e abandonaram a sala. Em contrapartida, fartaram-se de gritar bravos a uma sonata de Mozart cujo andamento central foi aborrecido e desprovido de veia... Livios Pereyra









Le marteau sans maître de Pierre Boulez

Entre 1942 e 1945, Pierre Boulez (1925-) estudou no Conservatório de Paris com Olivier Messiaen (1908-1992), como aluno das famosas aulas de análise. Na segunda metade dessa década de 40, Boulez desenvolveu o seu estilo musical partindo do serialismo introduzido por Arnold Schoenberg (1874-1951).

Desses estudos resultaram 2 Sonatas para Piano, a primeira de 1946, a outra de 1948, e uma Cantata, também de 1948, Le Soleil des eaux. A Segunda Sonata para Piano foi inclusivamente a obra que lhe granjeou fama, inicialmente pela circulação da partitura, publicada em 1950, e, mais tarde, pela sua estreia pública em Darmstadt, em 1952, com Yvonne Loriod (1924-) ao piano. Loriod que, em 1961, iria casar com... Olivier Messiaen...

Le marteau sans maitre consolidaria definitivamente a reputação de Pierre Boulez, uma obra para contralto e 6 instrumentistas, escrita entre 1953 e 1955, numa altura em que o compositor tinha já largado o serialismo puro e duro. Esta foi a 3ª obra em que Boulez utilizou poemas de René Char (1907-1988), depois de o ter feito nas cantatas Visage nuptial, de 1946, e Le Soleil des eaux, de 1948. Para esta obra Boulez inspirou-se em Pierrot Lunaire, de Schoenberg, só que concebeu uma obra bem mais complexa. De tal forma que vários músicos hesitaram em pegar-lhe e, aquando da preparação para a sua estreia, houve um que perguntou a Boulez "onde estava a poesia", ao que ele respondeu que "ela está lá"... A referida estreia teve lugar no dia 18 de Junho de 1955. in http://desnorte.blogspot.com (Junho 18, 2007)














Labels: , ,

e-mail: criticademusicaATyahooPUNTOfr