2008/07/01

Obrigado Polónia!

Por teres mostrado que a Europa é uma Europa dos Cidadãos e não uma famigerada Europa das nações (versus Governos). Se deixar de ser uma Europa dos Cidadãos o melhor é que desapareça de vez e rapidamente, para não desperdiçar ainda mais o dinheiro dos países doadores que frequentemente vai parar aos bolsos dos corruptos do costume nos países receptores dos fundos (comunitários), alguns dos quais são países com características terceiro-mundistas e feudais. O presidente polaco recusou-se a assinar o Tratado de Lisboa. Que descanse em Paz (o Tratado). Viva o Presidente (da Polónia). Viva a Polónia! Viva Chopin! Morra o feudalismo! Morram os Dantas!


Tachos Dourados num país com um ordenado mínimo de 400 euros (ou menos)

Uma remuneração anual fixa de 384 mil euros prevista para 2008, à qual acresce uma contribuição para o plano de pensão e ainda um prémio anual e um prémio plurianual para períodos de três anos, cada um dos quais até uma verba máxima de 100% do salário base.

Ou seja, se todos os seus objectivos de desempenho forem cumpridos, Ana Maria Fernandes poderá receber mais de 1,1 milhão de euros no seu primeiro ano como presidente de EDP Renováveis após a entrada da empresa na bolsa. Os valores constam do prospecto de admissão.

NOTA: São quase 2.000 salários mínimos ou seja cerca o trabalho de 143 anos pelo salário mínimo. Como é possível? É pior do que no Futebol.

Assim a EDP faz negócio e, se falha, obriga os clientes a pagarem os erros da sua gestão, como nas dívidas incobráveis que agora quer exigir aos pagadores honestos .

Esta Srª gaja deve ser muito habilidosa e ter feito uns favores especiais ( .... má língua..) aos detentores do Poder. A quem pertence? de quem é amiga?

Mais um «TACHO DOURADO», para membro do clã. Tiago Soares Carneiro In democraciaemportugal.blogspot.com, Junho 30, 12:39PM


Um país feudal

Quando se diz que o fosso que separa os cidadãos portugueses mais ricos dos mais pobres está a aumentar em largura e profundidade, saltam logo à liça fanáticos do regime a dizerem com voz que, pelo esganiçamento, procuram tornar mais convincente, que isso não passa de exageros caluniosos de bloguistas e populares mal informados ou de partidos derrotistas.

As atitudes desses defensores caninos não e de estranhar, é natural, pois nunca faltaram apoiantes mercenários a «patriotas» como Idi Amin, Bokassa, Saddan Hussein, Mugabe e… Tudo depende de quanto beneficiam ou pensam vir a beneficiar com essa «fidelidade».

Pior do que a impressão generalizada é, hoje apareceram notícias que nada surpreendem quem se mantém atento à vida nacional. Trazem-nos números, o que significa que para os nossos governantes, tão desejosos de chamar em seu apoio as estatísticas, não podem ser postos sob suspeição. Se os governantes não confiam nestes números, então não podem esperar que sejam levados a sério aqueles que nos atiram à cara, porque esses até já sabemos que são intencionalmente manipulados.

Mas, se os governantes vierem dizer que são números referentes ao passado, temos que com eles concordar, pois todas as estatísticas e relatórios traduzem realidades passadas, mais ou menos recentes. Porém, se fosse possível dispor de números referido a hoje, eles seriam, sem dúvida, mais negros e pessimistas, pois a crise, apesar das palavras enganosas, falsamente optimistas, que temos vido a ouvir desde a elaboração do último orçamento, não tem parado de se agravar. Até já o BdP tem recuado no seu optimismo que queria justificar dom uma taxa de crescimento rigorosa até às milésimas!

Depressa aparecerão comentários a dizer que a crise se deve a factores internacionais e não a inépcia do nosso Governo. Em parte, é verdade, mas o que não deixa de ser grave é que nada foi previsto, nada foi remediado com oportunidade, não foram corrigidos os erros de esbanjamento. Por exemplo, em Espanha, apesar de os combustíveis não terem subido tanto como cá, o Governo está a cortar as despesas públicas e a reduzir o número de funcionários não estritamente indispensáveis. E fica a questão: e os nossos milhares de assessores «de ornamento? De autarquias e de gabinetes da estrutura do Estado, irão continuar intocáveis?

Uma das notícias diz que segundo dados da EU, «Portugueses são os mais preocupados com o futuro», sendo apenas 15% os que acham que a vida vai melhorar nos próximos 12 meses, sendo os piores face aos seus parceiros da UE a 27. Apenas 11% (também o valor mais baixo da União, onde no conjunto há 22% de optimistas), acredita que esta poderá evoluir positivamente. E quando convidados a antever a sua situação económica e de emprego as expectativas também são as mais baixas. As preocupações incidem principalmente no desemprego, subida dos preços e situação económica do país

Outra das notícias diz que «número de ricos em Portugal sobe em plena crise económica», havendo agora mais de 11600 portugueses com mais de um milhão de dólares, tendo passado de 11400 para 11600. Estes dados, ontem, divulgados têm em conta os patrimónios financeiros individuais, excluindo os investimentos imobiliários e as aplicações financeiras em off shores (paraísos fiscais).

A terceira notícia evidencia que ao contrário dos milionários que aumentam, as populações mais carecidas de fortuna enfrentam mais dificuldades para satisfazer as suas necessidades básicas, com o título «dívidas no crédito ao consumo sobem 27%». Segundo o Banco de Portugal está a aumentar o crédito malparado, seja no consumo, na habitação ou em geral, o peso da cobrança duvidosa, tendo crescido, no total, 16%. A procura de empréstimos não abranda, e o endividamento dos portugueses voltou a subir em Abril. Em relação a igual período do ano passado, nos primeiros quatro meses de 2008, os montantes totais em incumprimento subiram, em valores absolutos, 16,4%, com especial agravamento nos empréstimos ao consumo. Face ao total concedido, o rácio de malparado subiu para 1,9%, mais 5,5% que nos primeiros quatro meses de 2007. O rácio de incumprimento passou para 3,8% do total atribuído, uma subida de 26,6% face a igual mês do ano passado. Nestas estatísticas não se encontram dados sobre aqueles que nem sequer conseguem créditos e vivem abaixo do limiar de pobreza, completamente ignorados dos poderes públicos. A. João Soares In democraciaemportugal.blogspot.com, Junho 26, 7:24AM


Presidente polaco recusa assinar Tratado de Lisboa

O presidente polaco recusou assinar o Tratado de Lisboa. Em declarações a um jornal polaco, Lech Kaczynski justificou a sua decisão pelo facto de este documento já não fazer sentido depois do "não" irlandês.

O presidente polaco recusou assinar do Tratado de Lisboa, ao considerar que não faria sentido dar a sua aprovação a um documento já rejeitado pelos eleitores irlandeses em referendo.

Em declarações ao jornal Dziennik, Lech Kaczynski mostrou-se confiante de que União Europeia continuará a funcionar mesmo que não de uma forma ideal, o que não é admirar porque a UE é uma «estrutura complicada»

«É difícil de dizer como acabará toda esta situação. Mas, por outro lado, a afirmação de que não há união sem o tratado não é séria», acrescentou o chefe de Estado da Polónia.

Kaczynski lembrou que foi este mesmo o raciocínio que surgiu na mente dos apoiantes da Constituição Europeia no momento em que esta foi rejeitado por franceses e holandeses em 2005.

Na entrevista que conceder a este diário holandês, o presidente polaco advertiu ainda contra uma eventual tentativa de isolar a Irlanda nesta questão, ao lembrar que se for levantada a «regra da unanimidade uma vez, ela deixará de existir».

Apesar de o parlamento polaco ter aprovado o Tratado de Lisboa em Abril, segundo a constituição do país, cabe ao presidente ratificar este documento, podendo o chefe de Estado não ir na mesma direcção do parlamento.

A decisão de Kaczynski foi anunciada no mesmo dia em que se inicia a presidência francesa da União Europeia, que substitui a Eslovénia na presidência rotativa dos 27. In tsf.sapo.pt, 1 Julho, 07:33

e-mail: criticademusicaATyahooPUNTOfr