2006/04/23

O PÚBLICO GOSTA DE VIVALDI

Depois do concerto número 66 da Festa da Música, realizado no grande auditório do CCB em Lisboa, hoje, domingo 23, com a casa repleta de um público entusiasta que obrigou o famoso contra-tenor, Philippe Jaroussky (acompanhado pelo Ensemble Matheus), a fazer um encore, no final deste concerto, dizia, conversámos com o artista.

Álvaro Teixeira Esteve a fazer um programa inteiro com música de Vivaldi. O que significa este compositor para si?

Philippe Jaroussky Vivaldi é um dos compositores que marcou muito o início da minha carreira. Cantei muito Vivaldi, também fiz uma integral das suas óperas...

AST Para qual etiqueta?

PJ Para naïve mas fiz também para Dinâmique. Vivaldi fez parte das minhas primeiras experiências em cena e continuo a cantá-lo muito. Foi o meu encontro com o Ensemble Matheus que tornou esta experiência vivaldiana ainda mais importante grupo com o qual tenho imensos projectos e vamos gravar em disco este programa que apresentamos neste concerto. Faremos o registo este Verão.

AST Qual é o vosso repertório para além de Vivaldi?

PJ Faço muito o repertório italiano, como Porpora. Também faço Haendel e muitos compositores. Também canto repertório mais antigo, do "seisciento", como Monteverdi, Cavalli e todos esses grandes compositores. Trabalho muito esses dois séculos de música italiana mas também me debruço muito sobre o repertório dos "castrati". O que não me impede de, de tempos em tempos, fazer outro tipo de música como "la mélodie française", por exemplo, Debussy, Fauré, gosto muito, então, de tempos em tempos, faço concertos...

AST Mas eles não escreveram para contra-tenor...

PJ Mas escreveram para voz!

AST Mas por outro lado na música contemporânea há muita coisa para contra-tenor...

PJ Já estrei duas peças.

AST Quais?

PJ ...ssier que escreveu uma grande cantata para contra-tenor e orquestra e outra de Nicola Braci. E há outros projectos...

AST Tem novos projectos?

PJ Não posso revelar ainda.

(risos)

AST Também não ia perguntar...

(risos)

AST Então tem prazer em cantar música contemporânea?

PJ Muito mesmo porque finalmente na música barroca faz-se muita pesquiza, a aproximação que fazemos é de re-criação. Na música contemporânea há um estado de espírito muito próximo do mundo barroco, de pesquiza, além de que estamos a criar coisas novas e é muito bom estarmos a cantar algo que foi escrito para nós, especialmente para a nossa voz. É que passamos o tempo a adaptar a nossa voz ás obras que cantamos, obras que foram à época, escritas para determinados cantores muito particulares.

AST Isso acontece frequentemente?

PJ Sim, sim...

AST Sente isso sobretudo com que compositores?

PJ Todos praticamente pois eles utilizavam os "castrati" e as particularidades de cada "castrati", particularidades muito individuais, o que nos leva a ter de adaptar permanentemente a nossa voz a obras que foram escritas para "castrati" determinados. Nós temos de ser muito mais camaleões...

AST Sente-se o Andreas Scholl dos tempos actuais?

PJ Quê? Não sei , não sei. Sei que as pessoas são muito tocadas pela música de Vivaldi, que a música de Vivaldi lhe fala de maneira muito directa. Mesmo ás pessoas que não conhecem Vivaldi anteriormente.

AST Uma música fácil, então...

PJ Fácil em que sentido?

AST Fácil de se gostar...

PJ Sim.

AST E tem luminosidade.

PJ Voilá! Penso que é uma música boa para um cantor... Por exemplo é o meu primeiro concerto em Portugal...

AST Que foi um estrondoso sucesso...

PJ Sim, parece...

(risos)

PJ Foi muito agradável. A verdade é que o público reagiu com entusiasmo desde a primeira ária o que foi para mim uma grande libertação e fez-me sentir bem ao longo de todo o concerto. Trata-se uma grande sala que estava cheia...

AST Vivaldi faz sempre sucesso, creio...

PJ Sim. É um grande embaixador para os cantores.

AST Quer dizer qualquer coisa especial?

PJ Espero voltar porque infelizmente não tive tempo para visitar Portugal. Espero portanto voltar.

AST Vem de onde?

PJ De perto de Paris.

AST Mas o seu nome...

PJ É de origem russa.

AST País de grande cantores e grandes músicos...

PJ Estive em Moscovo há três dias atrás...

AST Continua portanto a ter relações com a Rússia!

PJ Foi a primeira vez que lá fui.

AST Ha bom. Posso saber quem foram os seus professores?

PJ Nicolle Falien. Desde há dez anos. Nunca mudei de professora. Dá aulas particulares em casa dela, em Paris.

AST Para acabar quero dizer-lhe que espero que volte brevemente a Portugal, de preferência com outro repertório. Talvez com obras contemporâneas... Podemos esperar que um dia a Festa da Música seja com obras contemporâneas...

PJ Com todo o prazer! De toda a maneira o próximo ano não será barroco e não penso que venha.

AST Então talvez daqui a dois anos.

PJ Espero que sim.

AST Eu também. Foi um prazer conversar consigo.


















e-mail: criticademusicaATyahooPUNTOfr