2006/06/15

MOZART IN LONDON

Com um programa baseado nas estadias de Mozart em Londres, Paul McCreesh e os Gabrieli Consort & Players interpretaram obras variadas de Amadeus, incluindo a sinfonia k 16, supostamente a primeira sinfonia, escrita quando Wolfgang tinha oito anos, e a famosa sinfonia 40.

Pelo meio foi tocado o concerto para piano 12, cujo movimento lento se baseia num tema de Johann Christian Bach por quem Mozart nutria profundo respeito, chamando-lhe "o Bach de Londres" , concerto este que teve uma magnifica leitura pelo pianofortista Ronald Brautigam que se revelou um grande artista.

Ao iniciar a segunda parte, a soprano Rosemary Joshua deu-nos uma bela leitura de Ch'io mi scordi di te?, kv 505. A soprano revelou-se uma mozartiana de primeira apanha, conseguindo mobilizar os aplausos entusiastas dos escassos ouvintes que compareceram no barbican de Londres para este evento.

Outras obras de outros compositores foram tocadas mas, finalmente, a bem conhecida sinfonia 40, de Amadeus, teve uma leitura fabulosa, o que deve ser sublinhado uma vez que esta penultima sinfonia de Wolfgang se trata de uma grande e importante obra que marcou o sinfonismo do seu tempo e que costuma ser tocada por todas as orquestras, nomeadamente as que utilizam os instrumentos actuais.

Os Gabrieli revelaram ser grandes artistas e McCreesh revelou ter um conceito inteligente desta obra genial. O contrastante equilibrio das dinamicas, perfeitamente controladas, o diapasao afinado, o desempenho perfeito dos metais, instrumentos que oferecem dificuldades acrescidas por, nestes instrumentos antigos, carecerem de pistoes e terem de ser tocados na base de harmonicos controlados pela intensidade do sopro, tudo foi perfeito (esquecamos as muito pequenas e muito pontuais desafinacoes no naipe dos primeiros violinos), inteligentemente concebido e tocado com "alma". Tivemos pois uma sinfonia 40 do mais elevado valor artistico. Uma noite para recordar. Livios Pereyra














e-mail: criticademusicaATyahooPUNTOfr