2006/06/29

AYRE

A Deutsche Grammophon fez uma forte promoção (há vários meses chegou-me ás mãos uma brochura promocional com o cd) de uma espécie de compilação de canções populares, umas anónimas outras de autores identificados, ás quais são acrescentadas umas "pinceladas", intitulada Ayre, do compositor Osvaldo Golijov. Recentemente esta gravação foi colocada à disposição do público com a transcrição de uma opinião publicada num conhecido jornal dos Estados Unidos que considera indispensável a sua aquisição...

Não por acaso, no mesmo cd, é-nos dada uma nova interpretação das Folk Songs de Berio, sendo apresentada como uma "homenagem a Luciano Berio". Evidentemente que associando as duas obras se pretende associar os dois compositores.

Acho, por isso, que devo exprimir a minha opinião sobre este lançamento da DG, que promete ser o primeiro de uma série de registos com obras de Golijov, segundo se lê na referida brochura.

Ayre pode ser uma compilação de melodias de vários meridianos e latitudes. Não é, seguramente, uma obra musical na qual se possa detectar a "impressão digital" do seu criador. Na realidade, prefiro escutar os originais que ouvir esta "compilação" em que um músico se apropria de culturas musicais distintas que não lhe pertencem nem foi por elas designado como sendo o seu porta-voz "erudito".

Ayre de Golijov está a anos-luz das Folk Songs de Berio porque a intuição e talento de Osvaldo Golijov está a anos-luz da intuição e talento de Berio. O único ponto em comum entre Golijov e Luciano Berio é só e somente este cd. E outros que eventualmente possam associar obras dos dois autores...

Pouco mais há a dizer de um compositor sem rasgos, que usa o riquíssimo legado musical colectivo, onde muitos dos protagonistas ficaram deliberadamente no anonimato, para construir colagens desprovidas de estilo próprio, de inspiração e criatividade. AST















e-mail: criticademusicaATyahooPUNTOfr