2004/10/17

RENÉE FLEMING EM LISBOA

Poderia ter sido no pavilhão atlântico ou no coliseu!

Um recital de colagens de "melodias de sempre".
Não eram mas soaram a tal, descontextualizadas das obras a que pertencem. É impressionante como se podem banalizar grandes obras reduzindo-as à miserável condição de "cantos de natal".
É também a diferença entre um grande músico e um músico que só é grande porque arrasta multidões e arrasta multidões porque tem uma Deutsche Grammophon a tratar-lhe da imagem.
É uma grande cantora?
Particularmente não acho mas muitos dizem que sim. Mas ser uma boa ou muito boa cantora não é sinónimo de ser uma grande artista. Os seus registos não farão história, ao contrário dos de outras sopranos que na actualidade até cobram "cachets" menores. É uma imoralidade (e uma má política): o cachet de Fleming daria para trazer dois ou três grandes músicos. Daqueles cujos registos serão as referências de amanhã. E de hoje... AST

e-mail: criticademusicaATyahooPUNTOfr