2006/01/26

BRITTEN SINFONIA COM TASMIN LITTLE

Uma maravilha poder-se escutar um Bach seguido de um Chostakovich no mesmo concerto se tivermos uma orquestra excelente.

Assim acontece com a Britten Sinfonia que executou o arranjo para cordas da sinfonia em C (do) menor do compositor russo, num arranjo de Barshai, sem director, como se fosse um (muito bom) quarteto de cordas. Estamos perante um agrupamento de primeira classe que conseguiu concentrar em absoluto o Queen Elizabeth Hall, que estava quase cheio (deve ter-se em conta que neste mesmo dia, nesta mesma hora, Vengerov e Rostropovich tocavam Chostakovich no Barbican, com a LSO).
O arranjo do russo para orquestra de cordas foi o momento mais conseguido deste concerto, que decorreu a 25 de Janeiro, onde a violinista Tasmin Little executou com beleza o concerto para violino em A (la) menor de Bach. Foi apresentada, na segunda parte, uma obra do compositor John Woolrich, que estava presente, e que arracou os bravos da sala. Uma obra com algum interesse este Ulisses Awakes de Woolrich...

O concerto acabou com a sinfonia concertante em E flat (mi sustenido) de Mozart com Tasmin no violino e o primeiro violetista da orquestra na violeta. Um excelente concerto onde coexistiram estilos muito diferentes todos trabalhados de forma exemplar. Sobretudo a Britten Sinfonia mostrou possuir a consistencia de um muito bom quarteto de cordas, pois Little Tasmin dirigiu unicamente as obras em que foi solista. A concertino da Britten Sinfonia mostrou ser um pilar fundamental assim como a primeiro violoncelo. Merecem, elas e a sua "sinfonia", cinco estrelas. Livios Pereyra















e-mail: criticademusicaATyahooPUNTOfr