2006/01/07

DUAS LEITURAS DE UM STABAT MATER

O Stabat Mater de Giovanni Battista Pergolesi tem vindo a ser alvo de re-leituras sucessivas, algumas registadas em disco.

Vamos analisar duas interpretações, ambas disponíveis em cd a preços económicos. Uma premiada e "famosa", outra relativamente desconhecida ainda que os seus intérpretes sejam músicos reconhecidos mundialmente.

A primeira é a do Concerto Italiano dirigido por Rinaldo Alessandrini, com a soprano Gemma Bertagnolli e a contralto Sara Mingardo que pode ser adquirida, juntamente com o catálogo da etiqueta Naïve, por cerca de oito euros.

A segunda é uma edição Classic Collection, com um preço que ronda os quatro euros. A interpretação é da soprano Angharad Gruffydd Jones e do contratenor Lawrence Zazzo nas vozes, com Julia Bishop e Joanna Parker nos violinos, Peter Whiskin na viola, Joanna Levine no violoncelo e Mark Levy no violone. A direcção a partir do orgão é de Timothy Brown.

No que diz respeito à interpretação de Alessandrini à frente do Concerto Italiano é de imediato evidente uma prespectivação operística da leitura cujo "paradigma" é o desempenho de Gemma Bertagnolli que é exageradamente teatral, utiliza uma técnica romântica na produção dos crescendos sempre modulados por um vibrato despropositado e não demonstra o controle da projecção vocal indispensável na interpretação da "música antiga" (na realidade indispensável na interpretação de todo o tipo de música) . Ouça-se a "dolorosa", que dolorosamente se arrasta entre dinâmicas artificialmente contrastantes, e compreender-se-á que esta leitura poderia vir da batuta de um "velho" director romântico. O mesmo se dirá dos "stacattos" que Alessandrini utiliza: deliberadamente exagerados e produzindo um efeito teatralizado totalmente desadequado a este tipo de música. No final, "Quando corpos morietur", o "largo assai" é transformado num "grave" e o "presto assai" em "prestíssimo", procurando-se pelo efeito de contraste suprir o que estilística e musicalmente se deixou escapar. No entanto esta foi uma das comercializações mais louvadas a pretexto de um tal "movimento" da nova interpretação da música italiana por grupos italianos, muitos deles caracterizados exatamente por este "forcing" contrastante que pelo efeito surpresa procura colmatar aspectos da "essência" das obras escamoteados na interpretação.

O segundo registo é genericamente equilibrado sem despeito de um bom trabalho ao nível de contrastes que no entanto respeitam as características estilístico-históricas da obra. A soprano possui um belo timbre cristalino e evita o uso do vibrato. Já Zazzo utiliza um vibrato moderado conseguindo elevada consistência tanto tímbrica quanto expressiva. Os contastes dentro dos andamentos são mais restritos e a paleta dinâmica mais reduzida, tal como era costume na época do compositor. Verificam-se no entanto repetidas desafinações nos violinos, ainda que relativamente suportáveis, o que prejudica a "avaliação final" de uma interpretação que é mais musical e estilisticamente consistente que a dos italianos. AST















Morreu esta manhã a pianista Helena Sá e Costa. Tinha 92 anos e toda uma vida dedicada à música. Não resistiu aos efeitos de uma queda ocorrida ontem em sua casa.
Helena Sá e Costa nasceu no Porto e a ela se deve um contributo cultural notável. Até há pouco tempo era ainda um alto expoente na formação de sucessivas gerações de artistas. http://sic.sapo.pt (09-01-2006 13:56)















O desejo é esse grande atormentador que não deixa descansar, obriga a trabalhar, a correr, a deslocar... Em suma, a viver. Quanto ao conforto, ele é partidário da sedação, da imobilidade, da imutabilidade e substitui a verticalidade... Charles Melman in O Homem sem Gravidade, Companhia de Freud, Rio de Janeiro, pag.60















e-mail: criticademusicaATyahooPUNTOfr