2006/01/16

OBRAS PARA PIANO DE KAROL SZYMANOWSKI

Szymanowski é um dos compositores mais fascinantes da viragem do século XIX para o XX. Polaco como Chopin. Se os seus Prelúdios op 1 "soam" a Scriabin (outro genial da mesma época, "herdeiro" de Chopin, que partindo do idioma do mestre das pequenas formas vai aportar numa linguagem de abstração máxima plasmada nas "grandes formas"), já Masques op 34 denotam a influência dos franceses Debussy e Ravel, o mesmo acontecendo com Mythes op 30 para violino e piano. Em contrapartida os Études op 33 revelam uma impressionante linguagem pessoal onde o maravilhoso coexiste com o enigmático. Se em Concert Ouverture op 12 de 1904, revista em 1912, a influência dos alemães, nomeadamente de Richard Strauss, é mais que evidente, na sua Terceira Sinfonia op 27, escrita entre 1914 e 1916, o compositor já possui um interessante idioma que o singulariza num mundo que começa a ser o das heterogeneidades estético-estilísticas.
Em 2005, a Emi na sua colecção Gemini (duplos cd's), re-editou algumas obras para piano deste fantástico criador interpretadas por outro fantástico artista que é o pianista Mikhail Rudy que nos oferece fabulosas leituras dos já referidos doze estudos, da maravilhosa Métopes op 29, de Masques, assim como de algumas súbteis mas impactantes Mazurkas dos opus 50 e 62.
O segundo cd traz-nos, pelo violinista Ulf Hoelscher acompanhado do pianista Michel Béroff, os já referênciados Mythes e várias outras peças para os dois instrumentos, ficando bem patente a heterogeneidade estilística que coexistiu neste compositor fundamental, fruto da viragem de séculos e marco em toda a história da cultura, infelizmente pouco conhecido por parte de muitos públicos. O duplo cd ronda os dez euros. AST
















e-mail: criticademusicaATyahooPUNTOfr