2006/02/13

JOSHEP MALLORD WILLIAM TURNER

The finest creator of mystery in the whole of art, Claude Debussy, referindo-se a J.M.W. Turner

Quando se fala de Turner, estamos a tratar, nada mais nada menos, que do "inventor" do abstraccionismo e do grande percussor do impressionismo. A forma como Turner trabalhou a luminosidade foi totalmente inovadora e foi um passo, somente um passo, para, de um trabalho absolutamente novo a partir da pintura das luminosidades, entrar no campo da fuga das formas figurativas.

Entre 1840 e 1845, Turner deixou inacabadas algumas obras. Era normal que o pintor terminasse as obras quando se encontravam expostas para os membros da academia, poucos dias antes das portas serem abertas ao publico em geral. O resultado foi que muitas obras ficaram por acabar, outras nem chegando a ser expostas. No entanto se olharmos bem para Landscape with Water ou para Seascape with Storm coming On, concluiremos com facilidade que, em muitos casos, o pintor deixou as obras "inacabadas" porque, pode-se afirmar com alguma certeza, achou que estavam "acabadas de facto". Porque arrisco este juizo pouco convencional? Comparando com obras consideradas "acabadas" como Norham Castle - Sunrise, igualmente de 1845, verifica-se que existe uma continuidade estilistica que se projecta para um abstracionismo crescente. As similaridades conduzem-nos a Sunrise with a Boat between Headlands, obra inacabada que nos leva, olhando para Norham Castle, a questionar se grande parte das obras inacabadas deste periodo teriam sido deixadas assim deliberadamente. Claro, existem pormenores que nos levam, numas mais que noutras, a afirmar que se encontram inacabadas. Algumas, com toda a clareza, ficaram inacabadas. O problema coloca-se se houve vontade expressa do criador ao "abandona-las" nesse estado, nomeadamente aquelas referidas, que poderiam muito bem, utilizando uma metodologia comparativa, ficar exatamente como acabaram por ficar, podendo serem consideradas "acabadas". Nessa fase, como foi dito, toda a obra de Turner se direccionava para um abstracionismo crescente que ele trabalhou no limite, que foi o limite do seu tempo e daquilo que ainda poderia ser compreendido como "arte". Mas o interessante tem a ver com o "limite" que foi muito mais alargado que aquilo seria de esperar em meados do sec XIX. No seu tempo, Turner colocou a Inglaterra muito adiante no que toca a esta forma de arte. Voltarei a Turner que pode ser visto, gratuitamente, na Britain Tate. Pilar Villa















CASAQUISTÃO

Haviam histórias, no passado, em que as famílias para se verem livres de um herdeiro indesejado o declaravam senil, internando-o num hospício. Histórias que oscilavam entre a irrealidade pouco sustentável e a surrealidade que todas as realidades comportam. Nos regimes totalitários esta era a via "ligth", normalmente quando o "politicamente incorrecto" era de "boas famílias". Em vez de ser fisicamente eliminado, a via preferida dos fascistas e outros totalitários, era declarado "insane" e colocado num asilo, para contentamento de todos.
Afinal esta última via parece ainda funcionar em regimes aparentemente democráticos, na prática (muito) pouco democráticos, que se encontram sob "vigilância", sob o olhar dos "outros", neste caso da "comunidade internacional"...
Infelizmente, e isto é muito sintomático do "carácter" de um país, em Portugal, ninguém parece dar muita importância ao facto de na Madeira, uma ilha que consta ser portuguesa, o chefe aparentemente vitalício do governo regional, com o apoio unânime, claro está, do partido a que pertence, impôs uma peritagem psiquiátrica a um deputado da oposição que acusa o regime de anti-democrático e corrupto, coisa que não parece ser novidade para ninguém do exterior, só que dito na ilha tem as consequências que tem num regime de cariz totalitário que não aceita a crítica.
Se tal se passasse no Casaquistão, seria considerado "normal", mas talvez os jornais portugueses o referissem. Agora, na Madeira, uma ilha que consta ser portuguesa, parece que o politicamente correcto dita que os jornais, excepto um, os partidos e o "governo da nação", ignorem o assunto. Trata-se afinal de um "caso médico"... País maravilhoso! AST

Nota: perdoem-me os do Casaquistão onde talvez um caso assim não aconteça.

Nota2: passados poucos dias após o "caso médico" acima comentado, um jornal foi "saqueado" sob ordem judicial. Em Portugal, em vez de se impedirem as fugas de informação nos tribunais, processam-se judicialmente os jornais e os jornalistas que publicam as ditas "fugas", cuja responsabilidade é de agentes do mesmo aparelho judicial que seguidamente os processa. País Maravilhoso, bis!














En un libro que se llama “Argentina rumbo al colapso energético” y que puede bajarse de Internet en la página correspondiente a la Universidad del Salvador, Ricardo Andrés de Dicco, nos anticipa que como resultado de la actual política de explotación irracional de los recursos, nuestras reservas tanto de gas como de petróleo, estarían agotadas en menos de una década. Lo que viene según él, inexorablemente en la Argentina, seria una gravísima situación de colapso energético a la vez que una importante dependencia nuestra en esa materia de Bolivia y de Venezuela, con la consecuencia de graves distorsiones en la competitividad del aparato productivo nacional. Según los diagnósticos de de Dicco, hacia el 2020 el suministro eléctrico del país deberá cubrirse en un 62% por centrales nucleares, 36% por centrales hidráulicas y 2% restante por granjas eólicas y ello implicaría la construcción antes de esa fecha de once nuevas centrales nucleares, dos represas hidroeléctricas internacionales, la de Garaví y la de Corpus Christi, además del desarrollo de granjas eólicas y plantas de producción de biocombustibles para uso local y de la agricultura. www.ellibertadorenlinea.com.ar RECURSOS NATURALES Y SER HUMANO (13/02/2006)














Aquecimento é global e o maior nos últimos 100 anos, diz estudo
...
Pesquisadores fizeram medições para descobrir temperaturas máximas através do tempo
Por mais que alguns ainda tentem negar, a comunidade científica internacional se mostra cada vez mais de acordo sobre uma ligação entre o aquecimento global incomum e atividades humanas - como o uso do petróleo, por exemplo.
Uma nova pesquisa caminha nessa direção. Publicada na revista científica mais influente dos Estados Unidos, a Science (www.sciencemag.org), ela mostra que o Hemisfério Norte registrou no século 20 as ondas de calor mais freqüentes e mais influentes de pelo menos os últimos 1.200 anos. Em mais de mil anos, nunca houve uma flutuação tão intensa. www.segs.com.br (14/02/2006)















COMPRAR CD'S EM LONDRES

O editor do blog pediu-me para procurar alguns cd's da editora "Brilliant Classics" e respectivos valores em London. Todos os valores indicados foram encontrados no megastore da HMV em Oxford Circus, um dos melhores locais para estas compras. Tratam-se dos valores normais praticados nesta casa para estes discos e esta etiqueta. Existem saldos "loucos" nesta altura que permitem adquirir estojos e cd's de outras etiquetas que normalmente custam 3 ou 4 vezes mais. Deve-se procurar bem, nesta e em outras casas vizinhas, nomeadamente nas Virgin's, que por sistema praticam valores mais elevados mas onde por vezes se encontram saldos inesperados, como os nocturnos de Chopin por Pollini, dois cd's de 2005, por 10 pounds(£). LP

MAURICE RAVEL - Complete Orchestral Works (4 cd's)
ONF, E. Inbal
6,99(£)

CLAUDE DEBUSSY - Orchestral Works (4 cd's)
Orch. ORTT, Jean Martinon
6,99(£)


BEETHOVEN - Complete Symphonies (5 cd's)
Staatskepelle Dresden, Herbert Blomsted
8,99(£)

J.S.BACH - OrgelWerke (6 cd's)
Tom Koopman
9,99(£)

SCHUBERT - Complete Symphonies (4 cd's)
The Hanover Band, Roy Goodman
6,99(£)

MOZART - Piano Sonatas
Maria João Pires
8,99(£)

EVGENY KISSIN IN CONCERT (4 cd's)
6,99(£)


Outros cd's

HMV (Oxford Circus):

DMITRI SHOSTAKOVICH - Quartetos 1 - 13 (4 cd's)
Borodin Quartet (original members)
Chandos Historical
£9.99

MOZART - Violin Sonatas
Hilary Hann, Natalie Zhu
Deutsch Grammophon
£6.99

MARTHA ARGERICH AND FRIENDS (3 cd's)
EMI
£9.99

DVORAK - Tone Poems
Berliner Philharmoniker, Simon Rattle
Deutsch Grammophon
£9.99

Virgin (Oxford Street e Piccadily Circus):

MAHLER - Symphony 9
Berliner Philharmoniker, Claudio Abbado
Deutsch Grammophon
£8.99

Os cd's editados pela LSO custam £5.99 cada um mas muitas vezes podem ser comprados por £3.99

Os cd's da Penguin Classics podem ser adquiridos por £2.99!













"A defesa da liberdade de expressão é um principio sagrado" da democracia europeia, que "nada" pode pôr em causa, afirmou ontem à noite, em Washington, o presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso.
...
"A liberdade de expressão é um elemento essencial da nossa democracia", frisou o presidente da Comissão Europeia.
"É precisamente esse princípio que permite que algumas vezes haja aquilo que alguns consideram excessos mas que permite também que se possa contestar essa situação por meios pacíficos, pelo debate e pelo diálogo", acrescentou Barroso www.publico.clix.pt (10.02.2006, 08h54, Lusa)














“Alto lá! Esta terra tem dono!”
Seguramente os indígenas representam hoje no Brasil o movimento social mais ativo e radicalizado em defesa dos seus direitos frente ao Estado. Estão diariamente em evidência por ocupações de prédios da FUNASA e FUNAI, retomadas dos territórios invadidos e, neste momento, as mobilização pelos 250 anos da morte de Sepé Tiaraju, no Sul do país. Os índios têm sido notícias também pela caótica situação da assistência à saúde ou quando a Polícia Federal, a mando da Justiça Brasileira, os expulsa de forma violenta das suas terras em favor de poderosas empresas ou fazendeiros. O que está acontecendo com os índios e por que tanta repressão? www.midiaindependente.org (07/02/2006 às 04:05)



Kito, 07 de febrero de 2006.- Los pueblos kichwas del Ecuador agrupados en Ecuarunari, condenamos enérgicamente la represión ejercida por el gobierno de Alfredo Palacio en la noche de ayer y esta madrugada contra los compañeros habitantes de Sucumbios y Orellana de nuestra Amazonia Ecuatoriana. http://florenciovaz.blog.uol.com.br















e-mail: criticademusicaATyahooPUNTOfr