2005/10/12

MÉLODIES DE OLIVIER MESSIAEN

Ingrid Kappelle não é seguramente a nossa "cantora-paradigma" para Messiaen mas nesta gravação, editada pela Brilliant Classics com as obras completas para canto e piano do compositor francês, não podemos dizer que esteve mal. O seu desempenho é variável: se algumas vezes deixa muito a desejar, sobretudo nas tessituras agudas, outras, consegue uma interpretação arrebatada e envolvente. Nos registos médios o timbre da cantora é de um aveludado dramático. Quem captou a "essência" das obras de Messiaen foi Hakon Austbo. O pianista norueguês oferece-nos belíssimas leituras, demonstrando uma inteligente compreensão tanto do Messiaen "pós-debussista" (Vocalise Étude e Trois Mélodies) como do "Messiaen-Messiaen" dos impressionantes Chants d'Amour et de Morte.

Este registo (efectuado entre 10 e 12 de maio de 2004) é ainda mais atractivo se tivermos em conta o papel charneira desempenhado por Olivier Messiaen entre uma estética "debussista" (na qual teremos de integrar Maurice Ravel, sem prejuízo da originalidade deste último) e a escola serialista e pós-serialista, cujos principais protagonistas foram alunos directos ou indirectos de Messiaen. O percurso estético-estilístico deste último é bem patente nesta integral que se constitui num momento relevante das edições discográficas disponibilizadas ao público no presente ano. Por cerca de sete euros... AST















e-mail: criticademusicaATyahooPUNTOfr