2010/03/13

Portugal: o reino da brutalidade *

Na Escola Básica de Fitares, em Rio de Mouro, Sintra, continua a imperar o silêncio. Mas agora vem acompanhado de apreensão. De ainda mais medo. Muitos docentes olham para o caso do professor de Música que se suicidou e revêem-se no seu desespero. Luís atirou-se da Ponte 25 de Abril a 9 de Fevereiro por não aguentar a indisciplina dos alunos. Não era caso único. Era a ponta de um novelo que, ao ser desenrolado, revela histórias de professores agredidos por alunos e pais. Insultos verbais. O último caso grave aconteceu na semana passada. Uma professora de Educação Visual desmaiou depois de ter sido empurrada pelos alunos. Teve um traumatismo craniano. Público

* disfarçada sob a palavra (muito moderna...) "bullying".


Reino de broncos e monstros

Luís não avisou ninguém do acto radical. Mas radicalizou, segundo a família e os colegas, os apelos junto da direcção da escola para que resolvesse a indisciplina, em particular naquela turma. Fez várias participações que não terão tido seguimento.

Nota: num país normal, a gente que manda nesta escola e que ignorou os apelos do professor teria de responder em tribunal criminal, e perderiam o lugar enquanto empregados do Estado com substanciais responsabilidades. Mas em Portugal - reino de broncos e monstros - ficarão seguramente impunes. Assim como todos aqueles que transformaram a vida do professor num inferno. Portugal é um país horroroso e uma vergonha para a Comunidade Europeia, que em vez de observar deveria intervir contundente e decisivamente num país onde os Direitos Humanos - apresentados como o pilar mais fundamental da construção europeia - são sistematicamente violados sob o pretexto da "pedagogia" e outras farsas.


Competitividade?!

"En revanche, l'économie portugaise n'est pas assez compétitive.» Le pays cumule plusieurs handicaps : manque de productivité, secteurs à faible valeur ajoutée, formation insuffisante, natalité en déclin…" in lefigaro.fr, 12/03/2010, Mise à jour: 21:46

Nota: como pode Portugal ter alguma produtividade (e "competitividade") com um ensino que favorece a brutalidade e somente consegue produzir jovens idiotas e broncos? Por favor!


Tangencialmente correcto

"Un Estado que no controle sus finanzas no puede decidir sobre las finanzas de otros miembros del Eurogrupo", señala el ministro alemán, quien exige que, para que la unión Monetaria continúe siendo operativa, "se debe poder suspender el derecho de voto de un país miembro no cooperativo en el Eurogrupo". libertaddigital

Nota: seria mais justo que fosse o governo do país a ser suspenso e o país passasse a ser governado directamente por um "directorado" nomeado pela UE. As pessoas - ainda que eventualmente tenham votado nos corruptos - não devem e não podem ser totalmente responsabilizadas pelo resultado daquilo que os corruptos fazem ou fizeram.

Labels: ,

e-mail: criticademusicaATyahooPUNTOfr