2007/11/12

Mailer

O escritor norte-americano Norman Mailer morreu na madrugada de ontem, aos 84 anos, no Hospital Monte Sinai, em Nova York, Estados Unidos...

Um dos principais autores da corrente literária dos anos 60 conhecida como “new journalism”, ou jornalismo literário, Mailer escreveu mais de 40 livros, ensaios e peças para o teatro. Vencedor de dois prêmios Pulitzer, colaborou durante anos com a revista Esquire, uma das principais referências do romance de não-ficção.

Com uma carreira de quase 50 anos, o escritor foi co-fundador da revista alternativa nova-iorquina Village Voice. Filho de uma família judia de classe média de Long Branch (New Jersey), tornou-se um dos intelectuais mais conhecidos dos Estados Unidos e foi um dos grandes críticos da sociedade norte-americana. Mailer casou-se seis vezes e teve nove filhos. Vivia com a sua sexta mulher.

O escritor se definia como um “conservador de esquerda” e, nos anos 60, opôs-se à Guerra do Vietnã. Boa parte de suas obras é de conteúdo político. Detido várias vezes por suas brigas e pela oposição à guerra, o escritor se voltou também contra as feministas por seus comentários considerados machistas sobre as relações entre os sexos.

“Acho que, agora que as mulheres atingiram poder e reconhecimento, tornaram-se muito iguais aos homens em cada estupidez, vício e falta de julgamento que tivemos no curso da História”, declarou em uma entrevista promovida em 1991 pela Time com líderes feministas. “Elas pensam pequeno e lutam pelo poder. O movimento feminista está repleto de tiranas, do mesmo modo como os movimentos conduzidos pelos homens.” in http://txt.estado.com.br (Domingo, 11 novembro de 2007)


Sintomático...

"Não é que tenha medo dos McCann, mas todo este lóbi económico e político que rodeia o casal atemoriza verdadeiramente qualquer pessoa." As declarações são do advogado inglês de um dos amigos dos pais de Madeleine, para justificar o silêncio do seu cliente.

Presente na noite do desaparecimento da criança, é uma das sete pessoas que passavam férias com a família McCann no Ocean Club e que jantava com Kate e Gerry no restaurante do aldeamento turístico. De acordo com o jornal espanhol El Mundo, o seu advogado afirma: "O meu cliente vê-se obrigado a guardar silêncio, é o que pode fazer para ajudar a investigação. E não estou a falar do sigilo a que obriga a lei portuguesa, mas das estranhas circunstâncias que rodeiam o caso."
...
Mas a mesma fonte esclarece também: "O meu cliente deseja trazer à luz toda a verdade, não pretende acusar nem culpar ninguém, porque esse é o trabalho da polícia. E não lhe interessa quem poderá sair prejudicado."

Assumindo uma posição crítica em relação ao desenvolvimento do caso, que afirma estar longe de ser "um caso de polícia normal", o advogado inglês chega mesmo a culpar o Governo britânico. "Entendo que o nosso governo tenha a obrigação legal de ajudar os McCann. O que não posso compreender é que eles receberam apoios que vão muito mais além do que seria normal. Essas intervenções foram prejudiciais ao meu cliente e à averiguação da verdade", disse. in http://dn.sapo.pt (Lisboa, 12.11.07)









Labels:

e-mail: criticademusicaATyahooPUNTOfr