2009/09/03

"Temos pronta uma peça sobre o Freeport"

Manuela Moura Guedes confirmou hoje ao PÚBLICO a demissão da direcção de informação da TVI depois da suspensão do Jornal Nacional que apresentava e coordenava e que amanhã regressava depois de um período de férias. Moura Guedes revelou que tem pronta uma peça com notícias novas sobre o caso Freeport, feita por uma jornalista da sua equipa. “Temos pronta uma peça sobre o Freeport, com dados novos e, como sempre, documentados”, disse a jornalista, recusando-se a fazer mais comentários.

A direcção de informação da TVI anunciou, por volta das 13 horas, a sua demissão em bloco devido à suspensão do Jornal Nacional de Sexta-feira, apresentado por Manuela Moura Guedes. A direcção mantém-se em funções até ser substituída pela direcção da empresa.
...
Manuela Moura Guedes está a ser rodeada de manifestações de solidariedade na redacção, onde a decisão de suspensão do Jornal Nacional era de alguma forma esperada mas não nesta altura. Público, 03.09.2009 - 12h43


Tá bonito...

Uma pergunta simples, e mesmo óbvia, de um deputado europeu: «Porque não suspende o mandato até conclusão do inquérito de modo a que Portugal possa recorrer ao Eurojust?» (Nuno Melo dirigindo-se a Lopes da Mota).

Os neosocialistas tugas do Parlamento Europeu enxofraram-se e vai de recorrer a argumentação salazarenta, acusando o deputado de atacar «o país e a sua credibilidade internacional». Mais ridículos não podiam ser.

Nota: já agora, quanto está a valer a tal "credibilidade internacional"?


Gabinete de José Sócrates acusado de ameaçar gestor

A denúncia é feita pelo advogado Jorge Bleck ao "Jornal de Negócios", que refere que “houve abordagens do gabinete de Sócrates para que Alexandre Relvas "medisse bem o que dizer" no seu discurso de apresentação como presidente do Instituto Francisco Sá Carneiro, no Outono do ano passado.

A informação foi desmentida ao próprio jornal por fontes do gabinete do primeiro-ministro, enquanto Alexandre Relvas, também presidente da empresa Logoplaste, ainda não confirmou nem desmentiu a acusação.

Segundo a denúncia do conhecido advogado de Lisboa, e citando o jornal, “essas pessoas próximas do primeiro-ministro disseram-lhe que convinha ser moderado”, lembrando a ligação da Logoplaste à REN, refere o Jornal.

Jorge Bleck defende, em declarações ao mesmo jornal, que “os agentes económicos não são livres porque, se opinam num determinado sentido, o negócio não vem”, considerando que, na origem desse facto, está o “excessivo peso do Estado na conomia”. Público, 03.09.2009 - 10h24


Silva acusa PSD de lançar “campanha de mentiras”

O ministro dos Assuntos Parlamentares "repudiou" hoje a ideia de que pessoas próximas do primeiro-ministro terão tentado condicionar o gestor social-democrata Alexandre Relvas e acusou o PSD de procurar substituir o debate democrático por "campanhas de mentiras".

Augusto Santos Silva reagiu a uma notícia do “Jornal de Negócios”, na qual o advogado Jorge Bleck, membro do PSD, acusa pessoas próximas do primeiro-ministro de pressionarem Alexandre Relvas, presidente da empresa Logoplaste e do Instituto Francisco Sá Carneiro (IFSC). 03.09.2009 - 15h23 Lusa em Público


A milícia

O que anda por aí à volta de Sócrates não é o PS. É sim uma espécie de milícia que vai marcando cada vez mais discreta presença ao seu lado até dia 27. Cada vez vão ter mais cuidado com o ângulo das fotografias. Já começam a medir as palavras para que no futuro ninguém lhas recorde.

Depois do dia 27 muitos deles vão desaparecer e o ónus da muito provável derrota cairá inteirinho sobre Sócrates. Não vai ser bonito de se ver e nem sequer é justo porque se Sócrates chegou aqui foi porque ao longo destes anos eles se mantiveram calados.


Nota: se de facto foi o actual português PM quem preencheu a ficha, abaixo reproduzida, de adesão ao PPD, em 1974, quando tinha 18 anos, seria de esperar outra coisa, dado o tipo de "cognição" que ali manifesta? Só isso pode explicar que não se tenha conseguido licenciar num periodo em que qualquer um o fez "com uma perna ás costas" (no pós 25 de Abril)...

Labels:

e-mail: criticademusicaATyahooPUNTOfr