2009/10/10

O Tratado

O Presidente polaco, Lech Kaczynski, já assinou o Tratado de Lisboa, noticiou a AFP. Numa cerimónia no palácio presidencial em Varsóvia, Kaczynski concluiu assim a ratificação polaca.

“A mudança de opinião do povo irlandês fez com que o Tratado ressuscitasse e que já não haja mais obstáculos à sua ratificação”, afirmou o euro-céptico Kaczynski. O Presidente afirmara que assinaria o acto de conclusão da ratificação do Tratado logo que os irlandeses dessem, em referendo, o seu acordo ao texto, o que aconteceu há uma semana. “Hoje é um dia muito importante para a história da Polónia e da União Europeia”, adiantou. 10.10.2009 - 11h34 PÚBLICO

Nota: a Constituição Europeia foi chumbada em França e Holanda. Depois inventou-se o Tratado para não ter de ser referendado nos países que chumbaram a Constituição. A Irlanda, depois de muito apaparicada, lá acabou por aprovar o Tratado. Agora os outros, um a um, lá o vão assinando porque ninguém quer ficar com a responsabilidade de o matar em cima dos ombros. Mas todos sabemos que se o Tratado fosse referendado em todos os países não passaria do primeiro round. E viva a democracia...


Rica liderança

O Presidente Barack Obama afirmou-se “surpreendido” e disse ter recebido com “profunda humildade” o Prémio Nobel da Paz. Este prémio não é um reconhecimento dos seus “próprios sucessos”, declarou, mas uma “afirmação da liderança americana em nome das expectativas de pessoas em todo o mundo”.

O líder norte-americano adiantou que estava longe de esperar ser galardoado com o Nobel. “Estou ao mesmo tempo surpreendido e sinto-me profundamente humilde com a decisão do comité Nobel”, disse aos jornalistas reunidos na Casa Branca. “Não olho para isto como um reconhecimento dos meus próprios sucessos, mas sim como uma afirmação da liderança americana em nome da aspirações das pessoas em todo o mundo”, cita a Reuters. Público, 09.10.2009, 16h48

Nota: que se saiba, pelo menos até ao momento, a liderança americana só tem conduzido a guerras sangrentas e ineficazes. E que falta de gosto, tentar condicionar um presidente dando-lhe um prémio pecuniário...

E aqui está:

Com a atribuição do prémio Nobel da Paz, Barack Obama tem a obrigação de conseguir a paz na Palestina, obrigando Israel a aceitar a criação de um Estado palestiniano nos territórios ocupados e obrigando os palestinianos a aceitar a existência e a segurança de Israel.

Labels: ,

e-mail: criticademusicaATyahooPUNTOfr