2009/11/30

Pequeno roteiro curricular

Formação académica duvidosa com trocas e baldrocas.

Ex-professor que José Sousa teve a 4 cadeiras no espaço de um ou dois anos curriculares, na universidade onde adquiriu o diploma de engenheiro (que foi fechada compulsivamente devido a irregularidades), está "engatado" neste caso, no qual José Sousa diz nada ter a ver.

José Sousa também tem a sua vertenta artística... "artrística", talvez, recheada de irregularidades.

Depois há o famoso Freeport que o amigo Gordon Brown, que é quem manda no SFO (Serious Fraud Office) que investigava o assunto em Inglaterra, se encarregou de arquivar.

José Sousa conseguiu comprar um apartamento de luxo muito abaixo do seu valor de mercado, sem razão aparente. E porque seria?

E finalmente há todo o folhetim conhecido sob o nome Face Oculta.

Estas são as facetas conhecidas do curriculum de José (Sócrates) Sousa, primeiro-ministro de Portugal.

O estado a que Sousa e "companheiros" conduziram o sítio: pag 78.


Preto no rosa

Com o clima de corrupção generalizada existente, com os métodos usados na revisão dos preços, com os objectivos anunciados e com as prioridades conhecidas do Governo a serem a EDP, a PT a Mota-Engil, a Ongoing, Joaquim de Oliveira, a Martifer, a Sá Couto e quejandos, é fácil de ver para onde irão os milhares de milhões de euros de investimentos públicos previstos.
...
Ou seja, a grande prioridade de José Sócrates não são os postos de trabalho, mas a ajuda às empresas do regime e o controlo dos meios de comunicação, para que os portugueses não se apercebam disso. Henrique Neto, em Jornal de Leiria 26 Nov, pag 16


Uma das economias mais venais da OCDE

«Portugal é descrito pelos especialistas internacionais, como os da ‘Transparecy Internacional’, como uma das economias mais venais da OCDE», que «continua a perpetuar práticas pouco transparentes que incentivam o crime económico», referiu.

Francisco Louçã advertiu que «os últimos quatrocentos casos investigados pelo Ministério Público deram origem a três condenações».

«Os números dizem tudo, não há lei, não há meios e onde há vontade não há capacidade», disse.

Sobre o enriquecimento ilícito, outra das propostas apresentadas hoje pelo BE, Louçã lembrou novamente que foi Jorge Sampaio quem, em Outubro de 2005, afirmou que «quem enriquece sem se ver de onde lhe vem tanta riqueza, terá de fazer prova da proveniência ilícita dos seus bens» e que «essa inversão do ónus da prova em nada colide com o direito de defesa e muito menos a esvazia» e que já este fim-de-semana Diogo Freitas do Amaral defendeu o mesmo.

«O mesmo disseram João Cravinho, António Reis, Ana Gomes Vital, Cândida Almeida, Maria José Morgado, todos defendendo a punição criminal do enriquecimento ilícito», acrescentou. sol.pt, 3 Dezembro 09


Filhos e enteados

Enquanto uns se encontram detidos ou impedidos de abandonar o país, outro, o senhor Rendeiro ex-BPP, anda a fazer assessorias e consultadorias financeiras internacionais. O que poderá um sujeito destes aconselhar a nível financeiro? Truques e "escapadelas"?


Quem são os responsáveis?

Segundo o Expresso de 28 de Novembro, até ao final do ano o Estado enterrará 4 mil milhões de euros no BPN, via CGD. De acordo com o mesmo semanário os 4 mil milhões poderão não ser suficientes... Onde está o estudo "custo-benefício" em que o governo se baseou para tomar a decisão de salvar o BPN?

"O Banco de Portugal (BdP) teve conhecimento da existência de concentração de risco na Sociedade Lusa de Negócios (SLN) durante o ano de 2000, falhas que na altura mandou corrigir sem verificar se os procedimentos tinham sido de facto alterados.
...
A acusação diz que o BdP alertou para a necessidade de a SLN corrigir o elevado grau de "exposição ao risco de crédito, que atingia o montante de 85,2 milhões de euros. Segundo as regras que estavam em vigor na altura, a sociedade estaria sujeita a um limite de exposição de crédito até 20 por cento dos fundos próprios consolidados, o que na altura representaria "um limite de 23,5 milhões de euros"." publico.pt, 27.11.2009, 07h40


Mais vale tarde que nunca

Um grupo de especialistas portugueses, como Luís de Sousa (do ICS), Saldanha Sanches, Paulo Morais e Adelino Maltez, vai esta semana formalizar uma estrutura que permitirá a entrada da Transparency International em Portugal - que é um dos três países da Europa sem qualquer ligação à mais prestigiada ONG de luta contra a corrupção. dn.pt, 30 Nov


Detidos

Os nove activistas da Greenpeace que hoje de madrugada escalaram a Torre de Belém, em Lisboa, numa acção com o objectivo de chamar a atenção para as alterações climáticas, já foram retirados e detidos pela PSP. 30.11.2009, Lusa/publico.pt

Nota: os assassinos de mulheres em Portugal ficam livres até à concretização do crime, apesar do historial de agressões, ameaças, etc. Em contrapartida, estes activistas são presos. Belo, belíssimo lugar este! Cada vez mais belo...

Labels: ,

e-mail: criticademusicaATyahooPUNTOfr