2009/11/11

Não é destruindo provas que se resolvem as dúvidas

«É muito grave que subsistam dúvidas sobre notícias que dão conta da intromissão do Governo na liberdade informativa na área da comunicação social», declarou Manuela Ferreira Leite esta quarta-feira na Assembleia da República, exigindo ao primeiro-ministro esclarecimentos sobre supostas conversas entre José Sócrates e Armando Vara acerca da venda da TVI.

«Não é adiando investigações e destruindo provas que se resolvem as dúvidas políticas», afirmou a presidente do PSD, acrescentando que «as questões políticas não devem ser escondidas atrás de intrepretações jurídicas», referindo-se à eventual nulidade das escutas que envolvem o primeiro-ministro e o arguido Armando Vara no caso de corrupção e tráfico de influências.

«Estou certa de que o senhor primeiro-ministro tem consciência da necessidade de esclarecer o país, em nome da confiança que se exige aos responsáveis políticos. É aquilo que cada um de nós faria neste caso», reiterou.

As declarações contundentes de Ferreira Leite foram recebidas com críticas do líder da bancada socialista Francisco Assis, que condenou o «espectáculo degradante, de um justicialismo populista primário» da líder social-democrata.

«Lamento que esta intervenção tenha sido feita pela líder do PSD, que transforma o PSD num agrupamento irresponsável, populista e claramente demagógico», afirmou Assis.

Na réplica, Ferreira Leite repetiu as acusações: «Os deputados são a voz da opinião pública. Não é ficando calado, destruindo provas, que se resolvem as dúvidas políticas». SOL, 11 Nov

Nota: finalmente alguém disse mais que um simples "não comento".


O primo negou qualquer envolvimento

O primo de José Sócrates foi notificado na semana passada e prestou declarações segunda-feira no DCIAP. José Bernardo Pinto de Sousa foi interrogado na qualidade de testemunha pelos procuradores do processo Freeport, Paes Faria e Vítor Magalhães.

Segundo o Expresso conseguiu apurar, José Pinto de Sousa negou qualquer envolvimento com o caso e disse nem sequer conhecer dois dos principais arguidos, Charles Smith e já terá voltado a Angola, onde gere uma empresa. expresso.pt, 11:43, 11 de Nov de 2009

Labels: ,

e-mail: criticademusicaATyahooPUNTOfr