2009/11/10

Moradores apresentam queixa contra o Governo

O representante das comissões de moradores de Santa Cruz de Benfica e Damaia entregou hoje na Procuradoria-Geral da República uma queixa onde acusa o Governo de «prestar falsas declarações e apresentar fotomontagens distorcidas» do último troço da CRIL.

O conteúdo da queixa, que critica também a actuação de «responsáveis autárquicos de Lisboa e Amadora» no âmbito da obra de construção do sublanço Buraca-Pontinha, foi divulgado aos grupos parlamentares, ao Tribunal de Contas e à Unidade Nacional de Combate à Corrupção, entre outras entidades, já que os cidadãos estranham a «falta de actuação da Procuradoria-Geral da República».

«Há uma clara violação da declaração de impacte ambiental, que está em tribunal, há indícios de corrupção, já houve mais queixas, uma investigação da Polícia Judiciária e nada avança», lamentou o porta-voz dos moradores, Jorge Alves.

Na queixa hoje apresentada, o representante afirma que o Governo, as duas autarquias e a Junta de Freguesia da Damaia «tudo fizeram para esconder dos moradores e da opinião pública» os «graves impactos do projecto», inserido numa malha urbana de elevada densidade: «Não se coibiram de prestar falsas declarações e apresentar fotomontagens distorcidas da realidade».

«As imagens relativas ao projecto que está em execução foram deturpadas, não correspondem à realidade, é inaceitável. Onde mostravam jardins existe uma vala aberta; na ligação entre a Damaia e Benfica anunciaram uma passagem pedonal e zonas verdes e o que lá está é um caixote de betão com mais de quatro metros junto a casas», apontou à Lusa.

Segundo Jorge Alves, os moradores e comerciantes sentem-se «enganados» - vários lojistas da Damaia estão, inclusive, a afixar nos seus estabelecimentos cartazes intitulados «Propaganda do Governo vende gato por lebre» e onde comparam as imagens de divulgação da obra da Estradas de Portugal e fotografias recentes.

«Chegaram a andar de porta em porta a mostrar imagens de bonitos jardins. Assim que analisámos as plantas percebemos que não havia aqueles jardins», referiu.

Jorge Alves adiantou que as comissões de moradores, que contestam o traçado do último troço da Circular Regional Interna de Lisboa (CRIL) há cerca de 15 anos, estão a traduzir toda a documentação que reuniram para inglês para divulgá-la junto de comunicação social no estrangeiro.

«O objectivo é criar mais pressão. E já temos comunicação social inglesa interessada», referiu. SOL, 10 Nov

Nota: isto das fotomontagens e da distorção da realidade já vem sendo um hábito do PS de PdS. Todos nos lembramos das estatísticas do sucesso escolar produzidas pela equipe da anterior ministra da educação...

Labels: ,

e-mail: criticademusicaATyahooPUNTOfr