2008/05/31

Notícias da Tugolândia

Parece que o Rock in Rio começou mal. Amy Winehouse apareceu com 40 minutos de atraso para fazer um concerto de ..... (uma coisa é o que escrevo nos comentários de outros blogs, onde me dou a certas liberdades, outra, o que aqui escrevo... este é um blog respeitável... de crítica de música "séria"... não desfazendo...) e ia-se despenhando no palco... Têm de começar a colocar luzinhas nos palcos onde ela actue, como as que se acendem no chão dos aviões em caso de emergência, para que a Boa Tatuada, que tem o marido na prisão, se se despenhar, não caia nos braços... quero dizer: não caia no sítio errado.

Lê-se na primeira página do Correio da Manhã que um chefe da GNR fazia parte de um bando que assaltava casas. Ao mesmo tempo dirigia o grupo policial que combatia o dito bando. Creio haver aqui uma certa incompatibilidade de funções... Mas, tendo em conta os exemplos que lhe chegam dos portugueses políticos, a sua incompatibilidade não é nada que não se tivesse visto antes. Ainda se arrisca a receber um louvôr...

Compre um Yate de luxo, se é que ainda não tem, e terá gasóleo a 80 cêntimos! Aparece na primeira página do Semanário e trata-se de uma medida destinada a incrementar o turismo marítimo... Afinal não somos um país de marinheiros?

Hoje, movimentos independentes dos professores reúnem-se na Grande Lisboa para se coordenarem nacionalmente. Os tão detestados bloggers tiveram um papel essencial para que esta coordenação viesse a ser possível. Estupores!


Sessão dupla no Jazz on 3

Neste Dutch Special, primeiro ataca o trio Braam/DeJoode/Vatcher (Michiel Braam, piano; Willem DeJoode, contrabaixo; e Michael Vatcher, bateria), ao vivo no Pizza Express de Londres, em Janeiro deste ano; depois, The Astronotes, tenteto do trombonista Joost Buis (Felicity Provan, Joost Buis, Jan Willem van der Ham, Tobias Delius, Frans Vermeerssen, Paul Pallesen, Achim Kaufmann, Wilbert de Joode, Alan Purves e Michael Vatcher), gravado no Bimhuis de Amsterdam, Holanda, em 11 de Abril de 2008. O programa inclui entrevistas com Michiel Braam, pianista, compositor e director; Huub van Riel, director do Bimhuis; e o baterista e percussionista Han Bennink. Na próxima edição do Jazz on 3, da BBC Radio 3 (www.bbc.co.uk/radio3), Alexander von Schlippenbach / Eddie Prévost in session. In jazzearredores.blogspot.com


Birtwistle's The Minotaur

Saturday 31 May, 18:30-21:15 (Radio 3)

In a performance given at the Royal Opera House, Covent Garden, in April, Antonio Pappano conducts John Tomlinson in the title role, with Christine Rice as Ariadne in the world premiere of Harrison Birtwistle's latest opera, based on the classic Greek myth.

Hidden away deep in the labyrinth in Crete is a man with a bull's head - The Minotaur. He feeds on young men and women sent as tribute from Athens. One day the hero Theseus arrives among these innocents and with the help of Ariadne and her thread, he ventures into the labyrinth intending to kill the beast. In www.bbc.co.uk/radio3

Comentário: assisti a esta ópera na ROH (Convent Garden), exactamente com o elenco que vão poder escutar nesta emissão, e foi simplesmente genial.


Até parece que o governo não gosta da PJ...

A Associação Sindical dos Funcionários de Investigação Criminal (ASFIC) da PJ considerou esta sexta-feira que a decisão do Tribunal Constitucional de «chumbar» a Lei Orgânica da Judiciária veio dar razão às dúvidas do Presidente da República, mas também da ASFIC.

Em declarações à Agência Lusa, o presidente da ASFIC, Carlos Anjos, lembrou que, desde o início do processo legislativo, que a associação alertou o Governo e a Comissão Parlamentar de Assuntos Constitucionais para esta situação, agora declarada inconstitucional pelo TC, após dúvidas manifestadas por Cavaco Silva. In diario.iol.pt, 30-05, 18:23h

A Associação Sindical dos Funcionários de Investigação Criminal (ASFIC) da PJ considera que esta polícia tem carências operacionais «devido à falta de homens e meios», e justifica a redução de detenções com o novo código de processo penal, refere a Lusa.

O presidente da ASFIC/PJ, Carlos Anjos, afirmou que o menor número de detenções levadas a cabo pela Policia Judiciária (PJ), «se deve em parte, à entrada em vigor do novo Código de Processo Penal, em que a prisão preventiva apenas se aplica para crimes com mais de cinco anos de pena».

Carlos Anjos disse, por outro lado, que a PJ tem carências a nível operacionais e que efectua «menos operações, porque tem menos meios humanos e financeiros».

Uma das razões para esta situação, explicou, é que «os inspectores não recebem qualquer verba por trabalharem durante a madrugada, vão como voluntários».

O sindicalista exemplificou «que ainda esta semana a PJ teve de optar: ou levava a cabo uma operação ou outra» porque faltaram viaturas e agentes. idem, 01-05, 18:11h


Crítica, pertinente, a um comentário

Caro Álvaro,

Permita-me alguma brusquidão no texto mas o tempo é muito escasso e estou no fim de uma semana muito cansativa. Não interprete essa possível brusquidão com qualquer tipo de ressentimento ou empolada reacção.

Escreveu o meu caro em comentário no blogue do Paulo:

muitos portugueses, pequenos e insignificantes como são, não resistem à vertigem do poder. Mesmo que seja fogo-fátuo…

Ex-Ese’s (ex-alunos das Escolas Superiores de Educação e similares nas universidades) que entretanto fizeram mestrados em gestão escolar. É conhecida, e já legendária, a má formação inicial ministrada pelas Ese’s. Quem quer ir para gestor vai para a Universidade Nova, para o ISEG, para a FEUP, para a Católica… onde se ministram cursos de gestão a sério. Tem é de conseguir entrar…. Quem quer ser gestor não vai para uma Ese para de seguida fazer um mestrado em gestão escolar, que é como entrar pela porta do cavalo no mundo da gestão e administração. Estes ex-Ese’s, que entretanto arranjaram a sua “vidinha” fazendo uma mestradozinho em gestão e administração escolar, apoiam, evidentemente, a ministra da educação, que os vai transformar de míseros “professorzecos” em “gestores”.

Se o anterior modelo de gestão funcionava bem porquê estes diretatorzecos? É muito estranho…

Se me permite comentarei o seu comentário, passe o pleonasmo, entretido em 3 pontos de forma sucinta e não muito trabalhada:

1. Para esclarecimento de posição informo-o que frequentei curso na ESE e parte curricular do Mestrado em Administração e Organização Escolar na FCUL, estando neste momento a preparar o meu doutoramento.

(perceberá pois, através deste meu primeiro ponto, o porquê desta minha resposta ao seu comentário)

2. O que o meu caro fez não só é uma apreciação crítica completamente esconsa, por apresentar défice de sustentação fidedigna e ser nada mais do que uma generalização baseada no seu senso comum, como é também uma ideia que se ‘devora a si própria’. É que os alunos de gestão do ISEG muitas das vezes fazem o mesmo tipo de generalização que o meu caro gentilmente dirigiu aos alunos das ESSE’s relativamente aos gestores formados na Nova ou na Católica (e provavelmente sucederá o inverso).

3. O seu comentário pareceu-me perfeitamente despropositado e desnecessariamente acintoso…. Principalmente quando utilizou o termo ‘porta do cavalo’ e ‘mestradozinho’. Devo dizer-lhe que quando frequentei a parte curricular do mestrado fi-lo com enorme sacrifício pessoal e familiar, não utilizei o estatuto de trabalhador estudante e não faltei a uma aula que fosse. Durante um ano frequentei todas as aulas e elaborei trabalhos de significativa exigência. Foram muitas as noites em que trabalhei até ao raiar do sol terminando apenas porque as aulas (e os miúdos) da manhã me esperavam. Fruto desse esforço terminei a parte curricular do mestrado com classificações bastante positivas que muito trabalho me deram a obter, tendo por isso sido convidado para prescindir da elaboração da tese e iniciar directamente projecto de doutoramento. Perguntar-me-á porque é relevante esta informação pessoal? Não é! Mas será tão relevante quanto o comentário que o meu caro fez.

Estou demasiado cansado para elaborar melhor ‘discurso’ e para continuar este. No entanto deixe-me terminar dizendo-lhe em relação ao seu comentário que acredito ter sido um desabafo talvez irreflectido, talvez também escrito já no avançar da noite de um cansativo dia… e que no fundo, no fundo… este seu comentário não reflecte o que o meu caro é…

Não foi de facto a sua melhor hora.

Cumprimentos

Luís Miguel M. Latas


Entretanto...

A Comissão Europeia aplicou uma multa de 8,6 milhões de euros à Galp Energia por concertação de preços no mercado de betume para asfalto em Espanha, anunciou o executivo comunitário em comunicado. Bruxelas infligiu no total uma multa de 183 milhões de euros às cinco empresas envolvidas na concertação de preços: BP, Repsol, Cepsa, Nynas e Galp. A Comissão Europeia argumenta que entre 1991 e 2002, estas empresas partilharam o mercado do betume para asfalto em Espanha e concertaram os preços. Via Arre Macho. In arrastao.org, 31 de Maio

e-mail: criticademusicaATyahooPUNTOfr