2008/05/18

Um final à portuguesa

Na sessão de encerramento da Monstra 2008, antes de ser projectado o filme que ganhou o Grande Prémio Monstra 2008 / RTP 2, Franz Kafka's - a country doctor, um trabalho genial de Koji Yamamura, foi-nos dito "agora vamos ver uma antevisão do futuro". Subiu ao palco um sujeito que já lá tinha estado porque foi membro de um dos júris e falou, falou (muito) sobre o seu novo filme, para rematar paternalmente "depois iremos ver o filme premiado que é para isso que aqui estamos". Que simpático... Exacto, foi para isso que lá fomos, só que antes do filme que nos interessava tivemos que gramar o documentário do trablho que o sujeito está a produzir (com dinheiros públicos claro), que é um cliché sobre as famílias portuguesas-concerteza que num passeio domingueiro (acho que o filme se chama exactamente "Passeio de Domingo") desrespeitam as regras de trânsito para delírio das criancinhas que assim, desde pequeninas, são educadas no "espírito português autêntico". O filme não revela qualquer espírito crítico em relação a estes portugueses comportamentos e, como é um filme feito para ter piada, lá será apresentado às crianças portuguesas que assim poderão ver os comportamentos dos pais elevados a "obra de arte". O staff do sujeito, gritou e assobiou de cada vez que ele subia ao palco, fazendo dele o herói da noite, em vez de Koji Yamamura que ganhou o "grande prémio" e se limitou, como todos os premiados, a "duas palavras". Foi portuguesmente patético, até porque não passaram excertos dos filmes aos quais foram atribuídas menções honrosas pelo júri do Prémio Cineasta Estudante, que foi ganho pelo húngaro Tomek Ducki com o filme Life Line. Em relação ao "Passeio de Domingo" (ou Passeio Domingueiro, ou lá o que aquilo é), que nos foi apresentado como sendo uma "antevisão do futuro", só se fôr mesmo uma antevisão do futuro em Portugal... Dentro do estilo (que nada tem de inovador muito antes pelo contrário), vale um milhão de vezes mais Hare the Servant, da russa Elena Chernova, que ganhou simultaneamente o prémio do Público e o prémio Melhor Série para TV e que foi feito com meios incrivelmente mais reduzidos. Ou mesmo "O Guisado de Galinha", da Joana Toste, que ganhou o prémio Tóbis, que é para ser atribuído a uma realização portuguesa. E não foi preciso, para Hare the Servant e para "O Guisado", andarem a filmar em França e na Bélgica, ao contrário do "Passeio" que assim se transformou numa grande passeata. Quando há (muito) dinheiro do Estado pode-se filmar até na Lua...


Ian Curtis

Ian Curtis, um ícone da música urbano-depressiva morreu faz hoje 28 anos.

Curtis merece ser lembrado pela extraordinária música que deixou. Aos Joy Division sucederam-se os New Order com os mesmos elementos. in rupturavizela.blogs.sapo.pt (18 de Maio de 2008)

Labels:

e-mail: criticademusicaATyahooPUNTOfr